Domingo |
À procura da Palavra
Admirável paciência
<<
1/
>>
Imagem

SAGRADA FAMÍLIA Ano B

“O pai e a mãe do Menino Jesus

estavam admirados com o que d’Ele se dizia.”

Lc 2, 33

 

É preciso silêncio e disponibilidade para admirar. Deixarmo-nos tocar, deslumbrar, ou espantar exige uma abertura singular a alguém, a algo, a palavras e a sinais inesperados, mas cheios de uma graça indizível. Somos convidados para um mistério que não dominamos, para uma grandeza que não esperávamos. Está no olhar embevecido dos pais sobre o filho recém-nascido ao colo, dos seus primeiros passos, e de tudo o que é primeira vez na aventura de crescer. E também na paz que a mão amiga oferece, na esperança que a palavra luminosa traz, na presença no momento doloroso. A lista das nossas admirações poderia ser uma bela tarefa de novo ano.


Admiramos pouco a paciência. Apreciamos a rapidez com que tudo pode ser feito, a eficácia dos nossos empreendimentos, a azáfama dos nossos dias. Por isso a paciência parece perda de tempo. Mesmo sabendo que ela é essencial para a melhor compreensão da vida, dos outros e do próprio Deus. Pois como olhar para história da salvação sem esta admiração pela lenta paciência de Deus em escrever connosco uma história familiar? A disponibilidade para acolher a sua palavra, e sobretudo a encarnação de Jesus no seio familiar de Maria e José reclamam uma paciência amorosa. Não nos admiramos com a paciente aprendizagem que os pais de Jesus têm de fazer no conhecimento de Jesus? Na consagração no Templo fazem uma descoberta desconcertante: não são proprietários do seu filho. Como todos os pais, irão unir intimidade e responsabilidade na educação de um filho. Eles, no admirável mistério de ajudar a crescer “Deus – que se fez – connosco”.


Associamos tradicionalmente a paciência a alguma sabedoria que a idade também traz. Embora a nossa relação com a vida no seu ocaso e até com os nossos maiores nem sempre seja paciente. Muito noticiados nestes tempos difíceis de pandemia, o esquecimento e o descarte a que os votamos, na sociedade sem tempo, sem casas e sem carinho que construímos, é uma interpelação incómoda. Ver assim no evangelho de hoje como dois velhinhos, Simeão e Ana, reconhecem e anunciam o filho de Maria e José como o Salvador é encantador. A admiração nascida da paciência, da espera fiel, da confiança que Deus “pode tardar mas não falha” enchia as suas vidas. Da sua admiração nasce a admiração de todos os que os ouviam falar de Jesus.


A “santa paciência das nossas famílias” pode ser algo que ainda não admiramos suficientemente. Que alguma tristeza das festas deste ano pandémico nos ajude a descobri-la. E a admirarmo-nos mais uns aos outros, não tanto pela exterioridade de festas que passam depressa, mas pela graça de Deus que se manifesta em todos. Com admirável paciência!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Jamais esquecerei a forte emoção que experimentei há alguns dias. Celebrávamos a missa exequial de...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O último estertor da dissoluta Assembleia da República atenta gravemente contra a liberdade, a religião,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Somos alertados pelo Papa Francisco na Mensagem do dia da Paz de 2024 para o facto de as máquinas inteligentes...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES