Missão |
Projeto expositivo comum
“Tantas vezes digo ao orvalho sou como tu”
<<
1/
>>
Imagem

A FEC – Fundação Fé e Cooperação é um organismo da Conferência Episcopal Portuguesa. Criada em 1990, e a celebrar 30 anos de história(s), existe com o propósito de estreitar o diálogo e a colaboração com as Igrejas dos países de língua oficial portuguesa, num trabalho de proximidade com as comunidades mais frágeis. Consciente que os problemas que, coletivamente, enfrentamos não obedecem a geografias ou a fronteiras definidas, a FEC acredita na riqueza da diversidade e aposta em fazer pontes e cruzar realidades geográficas, culturais, religiosas e sociais, num constante movimento de trazer as periferias para os centros de decisão e levando os centros para as realidades mais periféricas, provocando assim um diálogo gerador de mudança social, que tem no horizonte a justiça, equidade e o bem-comum.

Entre a inquietação e a esperança, a sobre-exploração dos recursos naturais é uma das preocupações centrais da FEC. A preconização de uma nova narrativa de bem-estar humano, integrada na Criação, fundamentada na solidariedade, numa economia ao serviço das pessoas e no respeito pelos limites dos recursos do Planeta, exige um diálogo fecundo e genuíno entre cidadãos e decisores, entre o domínio privado e a esfera pública.

Acreditando que o pensamento e a mudança se constrói no diálogo e na complementaridade entre as múltiplas esferas societais – arte, cultura, fé, ciência, ação social, ativismo, religião, comunicação… –  a FEC e a Casa Velha encontraram na Brotéria o lugar que cruza perspetivas e sentires. Refletir sobre a problemática ambiental, percecionada através dos sentidos que os artistas nos provocam, foi o propósito desde feliz encontro entre o ativismo de duas organizações da sociedade civil – FEC e Casa Velha – e uma Galeria de Arte – a Brotéria. Casa de encontros improváveis, aberta a múltiplas formas de expressão, a Brotéria acolhe linguagens inesperadas e alarga o espaço de compreensão das coisas. Com esta convicção, tivemos a ousadia de nos propor à Galeria Brotéria, que, com o rigor e a seriedade que lhe são próprios, acolheu e deu forma e beleza à nossa iniciativa. O significado do sentir humano sobre a sua relação com a natureza, guiado pela sensibilidade artística, é a intenção deste projeto expositivo comum, “Tantas vezes digo ao orvalho sou como tu”.

Esta é uma iniciativa do projeto Juntos Pela Mudança, promovido pela FEC, a Associação Casa Velha e a CIDSE, com o cofinanciamento do Camões, I.P..

fotos por Brotéria (https://www.facebook.com/broteria)
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES