Domingo |
À procura da Palavra
Três
<<
1/
>>
Imagem
SANTÍSSIMA TRINDADE Ano C

“Tenho ainda muitas coisas para vos dizer,

mas não as podeis compreender agora.”

Jo 16, 12

 

Faltam poucos minutos para as três. Da tarde. A hora limite para “dar à luz” estas palavras. E gostaria de criar novas histórias para falar do maior dos mistérios. Maior, porque é fonte e é foz, e n’Ele tudo é claro e é pleno. Mais histórias porque não sei pintar nem sou compositor, e só a beleza nos permite entrar descalços em sua casa. E recordo três histórias, que não são minhas, mas sabe bem contá-las.


A primeira passa-se à beira do Mediterrâneo, ainda sem o drama dos que arriscam a vida em frágeis embarcações para procurar melhor vida do outro lado. Agostinho, Bispo de Hipona, planeia a sua obra sobre “A Trindade”, e distrai-se com um menino que traz na concha das mãos água do mar para uma pequena cova na areia. Inglório esforço que repete sem se fatigar. Mete conversa e sorri com o ousado projecto que o pequeno lhe revela: “Quero pôr o mar dentro desta covinha!” Procurando mitigar a desilusão infantil, apela à lógica de tal impossibilidade. Surpreende-o a resposta, por entre um sorriso de criança: “Pois fica sabendo que é mais fácil colocar todo o mar neste pequeno buraco do que tu, apenas com a tua inteligência humana, compreenderes o mistério da Santíssima Trindade”! A obra foi escrita, e está cheia de luz, que convida à humildade de entrar sem possuir!


A segunda pode ter acontecido numa aldeia do nosso país, onde o desejo de um pároco em fazer entender os mistérios da fé o inspirou para uma imagem acessível a todos. Num domingo da Trindade, depois de uma partilha sobre as leituras, arrisca a comparar o “mistério” com “um “presunto”. E perante a assembleia interessada, seguiu: “Sim. O Pai é como se fosse o osso, o Filho como se fosse a carne (pois não é verdade que encarnou?); e o Espírito Santo como se fosse o toucinho!”. E a luz que brilhou nos olhos de todos consolou a alma do pregador até que, alguém mais inquieto perguntou: “Ó senhor prior, então e o courato?” E respondeu logo o visado: “Aí é que está o mistério!


A terceira envolve três anciãos que viviam numa ilha onde aporta um dia o bispo com a sua comitiva. Ao saber que a única oração que conheciam era esta “Tu és três; nós somos três. Tem piedade de nós!”, o bom do bispo decide ali ficar alguns dias para lhes ensinar o Pai Nosso e alguma teologia. Partindo contente pela boa evangelização, três dias depois, avista três vultos a correr sobre as águas, reconhecendo os três anciãos que convida a subir ao barco. Ao ver a tristeza que traziam pois tinham esquecido a tal oração, humilde e emocionado, o bispo consola-os dizendo: “Quando rezarem digam: Tu és Três; nós somos Três. Tem piedade de nós!


Inesperada mas urgente, é a história da poesia de Daniel Faria que descobrimos há 20 anos, na sua partida para Deus: “[…] O que sei da unidade é a túnica / Tirada à sorte. O que sei da morte e da vida / É o livro escrito por dentro e por fora / Silêncio escrito por dentro / Palavra escrita a toda a volta da história // O que sei do céu / É a mão com que sossegas os ventos // Desço à escritura como os veados aos salmos”. Desçamos nós também.

P. Vítor Gonçalves (ilustração por Tomás Reis)
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES