Domingo |
À procura da Palavra
Espera e urgência
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO I DO ADVENTO Ano C


“Erguei-vos e levantai a cabeça,

porque a vossa libertação está próxima.”

Lc 21, 28


Entramos discretamente, sem fogo-de-artifício nem badaladas, num novo ciclo litúrgico. Que não é, como dizia um pequenito, a bicicleta do senhor Prior, mas um ano novo para todos os cristãos. Aqueles que vivemos a alegria de celebrar no tempo a vinda do Eterno, Jesus Deus-connosco, nascido, morto e ressuscitado. E assim ficou transformado o tempo, deixando de ser realidade que simplesmente passa, se conta e se esgota, tornando-se ocasião de graça, abertura ao futuro, habitado pela eternidade.


O Advento vive de várias tensões. É espera e urgência, fim e princípio, já e ainda não. Convida a rever as rotinas que vivemos, a repetição mecânica de hábitos e palavras, o adormecimento do fogo que já é só saudade. Os sinais no sol, na lua, nas estrelas e na terra, anunciados por Jesus no evangelho, mostram que o caos do mundo presente não é definitivo. Assim como esses elementos são os primeiros na ordem da criação, segundo o relato do Génesis, também o seu colapso anuncia o dia novo, os novos céus e a nova terra. Não há mudança sem dor, nem crescimento sem despojamento. Importa não deixar instalar-se o medo: ele sufoca a vida e paralisa as forças. Tantas vezes Jesus disse para “não termos medo”, pois ele isola-nos e não nos deixa sair ao encontro de Deus e dos outros. É nessa saída que o sol da fé, o horizonte da esperança e o fogo do amor nos revelam como a vida nova acontece em nós e connosco.


Diante do fim de tudo, no máximo despojamento, a proposta do evangelho é surpreendente: “Erguei-vos e levantai a cabeça…, Tende cuidado convosco…, Vigiai e orai em todo o tempo.” Curiosa a semelhança com a 1ª das “12 regras para a vida” que o psicólogo canadiano Jordan Peterson apresenta no livro que tem esse título: “Levante a cabeça e endireite as costas”. A libertação que está próxima é dom de Deus, mas é preciso estar pronto para a acolher. E daí o cuidado em não buscar saídas que são “becos”, prisões ou soluções fáceis. Mas a grande novidade é a atenção a tudo e a oração. Atenção que é empenho pelos outros, escuta dos seus clamores, compromisso pela justiça; e oração que só é verdadeira encontro com Deus quando temos o coração cheio dos irmãos!


Muito além da urgência de “preparar o Natal” (que Natal, pode perguntar-se?) partilho convosco um poema de Eugénio de Andrade, que sabe tanto a este tempo: “É urgente o amor. / É urgente um barco no mar.// É urgente destruir certas palavras, / ódio, solidão e crueldade, / alguns lamentos, / muitas espadas. // É urgente inventar alegria, / multiplicar os beijos, as searas, / é urgente descobrir rosas e rios / e manhãs claras. // Cai o silêncio nos ombros e a luz / impura, até doer. // É urgente o amor, é urgente / permanecer.

P. Vítor Gonçalves (ilustração por Tomás Reis)
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Foi muito bem acolhida, pela generalidade da chamada “opinião pública”, a notícia de que...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES