Domingo |
À procura da Palavra
Realeza que realiza
<<
1/
>>
Imagem

JESUS CRISTO REI DO UNIVERSO Ano B

“O meu reino não é deste mundo.”

Jo 18, 36

 

Contam algumas pessoas, que na Igreja de S. Domingos da Baixa de Lisboa, existia, antes do incêndio de 1959, uma imagem de Cristo-Rei, num trono, de coroa e ceptro na mão, de cabelos longos e ondulados, qual Luís XIV no seu maior esplendor! Certamente influenciada pelo nascimento desta festa em 1925, representava o apelo à militância católica e à difusão dos valores cristãos numa sociedade adversa. Mas que significa a realeza de Jesus nas suas palavras e na sua vida? Encontra paralelo com os reinos deste mundo, feitos de ambição e poder, sustentados pela força e pelas armas?

 

No encontro com Pilatos culmina o despojamento de Jesus de toda a espécie de violência. É com Amor que vencerá a violência humana: será a perdoar e não a castigar, a salvar e não a condenar, a recriar e não a destruir. Recusará mesmo a violência de impor a sua divindade quando lhe disserem que acreditarão n’Ele se descer da cruz (Mc 15, 32). O seu Reino, que não é deste mundo porque não se afirma pelo poder que oprime, é o reino da vida nova transformada pelo amor, da verdade de todos sermos filhos de Deus, do serviço à humanidade nos pobres, nos rejeitados, nos infelizes. A fragilidade vence a força sem combater, esvaziando-a do seu ilusório poder e confrontando-a com a única verdade que salva: o amor incondicional de Deus.

 

A realeza de Jesus é a de “servir e dar a vida”, como tinha ensinado aos discípulos a propósito de uma discussão sobre os lugares no seu reino (Mc 10, 42-45). E é essa realeza que nos é confiada pelo Baptismo; a única em que a Igreja pode viver a identificação com Cristo. É assim que o reino de Deus começa neste mundo, na responsabilidade pelo serviço a todos, na atenção aos mais esquecidos e desprezados, em pequenos gestos de verdadeiro amor, surpreendentes milagres que a inteligência e o coração realizam. Pobre “realeza” dos que vivem centrados em si, acumulando e dominando, e morrem sem “realizar” tantas obras de bondade e beleza!


Dar testemunho da verdade nunca foi fácil, e neste tempo de “fake news” e ocultamento de verdades é uma tarefa árdua. Jesus Cristo, nas palavras finais do diálogo com Pilatos, diz que veio a este mundo para dar testemunho da verdade. Não para a ensinar, nem impor. Nem ficar em discussões vazias e palavras bonitas. Mas ser sua testemunha, e viver o projecto de mundo novo, onde nascem relações novas entre as pessoas e os povos. Realizar a verdade que o serviço aos outros vence o mal, que o dom gratuito liberta do egoísmo, que o diálogo e o encontro fazem pontes. Que verdade realizamos?

P. Vítor Gonçalves (ilustração por Tomás Reis)
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES