Família |
Familiarmente
Eucaristia, alimento espiritual da família
<<
1/
>>
Imagem

Ao longo dos 10 anos de casamento que já celebrámos, em todos os Domingos e dias santos fomos à missa. Não houve doença ou férias que nos levassem a abdicar desta alegria que é a celebração da nossa comunhão com Deus Pai, Filho e Espirito Santo. Já desde o namoro que fizemos sempre por celebrar o Domingo, tendo no seu centro a Eucaristia e o serviço à Igreja. Mesmo quando nos ausentamos da nossa comunidade permanente, por Portugal ou pelo estrangeiro, sentimos uma alegria enorme pela experiência da universalidade do mistério da fé que aí celebramos, mas também pela experiência pessoal que cada um de nós vive no encontro com Cristo na Eucaristia. Na Eucaristia, cada um de nós coopera com a Graça de Deus; cada um, com a sua ação particular derivada do seu estado e dos seus dons (cf. 1 Cor 12, 12-31), contribui de modo diferenciado e complementar para a celebração da Eucaristia. Aí encontramos o que é a comunhão: Em primeiro lugar a união entre Deus e o homem consumada na entrega de Cristo por todos nós - a Igreja – pelo amor ao Pai; Em segundo lugar, porque esta entrega de Cristo se atualiza, perpetuando-se em cada celebração, participando cada um de nós nesta comunhão plena de Cristo.

A celebração tem uma pedagogia própria que nos faz crescer na nossa vocação:

- Pela convocação universal à celebração e pela experiência de sermos membros deste corpo que é Cristo, compreendemos a necessidade de nos aceitarmos na nossa diferença e construirmos uma vida comum assente na complementaridade que daí brota e nos enriquece;

- O perdão é uma das atitudes essenciais para a vivência em família, e pela eucaristia praticamos hábitos de perdão, requerendo que nos preparemos para a celebração pelo perdão do irmão (cf. Mt 5, 23-24);

- Na Liturgia da Palavra exercitamos a escuta, ouvindo o que o Outro tem para me dizer e experimentando como esta Palavra transforma a minha vida;

- Na apresentação dos dons aprendemos como é necessário colocar os nossos bens e nossos dons em comum para em conjunto dar continuidade à ação criadora de Deus;

- Ao aclamarmos o Santo, recordamos a nossa vocação de conduzir o outro à santidade;

- Na celebração do memorial da morte e ressurreição de Cristo, tornamos presente que esta Sua entrega plena, fiel e fecunda é a referência para o que é o nosso matrimónio, em que cada um de nós tem a missão de amar o outro como Cristo ama a Igreja;

- Pela oração, habituamo-nos a apresentar a nossa vida a Deus, tornando-o participante no enfrentar das nossas dificuldades e na celebração das nossas alegrias

- Pela comunhão recebemos o alimento material e espiritual para darmos continuidade à ação de Cristo através da nossa vida;

- Liturgia é ação de louvor, ação transversal a toda a celebração e que nos estimula a louvar o bem que o outro é para mim;

- Pela bênção somos recordados do bem que Deus diz de cada um de nós e que temos o grato dever de reproduzir;

- Pelo envio somos interpelados a levar a alegria que vivemos na eucaristia e na nossa família a todos aqueles com quem nos cruzamos;

São tantas as graças e os ensinamentos que recebemos na Eucaristia que em artigo algum conseguiríamos descrevê-las todas, até porque muitas ainda as estamos a descobrir. Contudo de uma coisa temos a certeza, para nós, não há Domingo sem Eucaristia, pois é aí, neste encontro pessoal e comunitário com Cristo que encontramos o alimento que nos faz crescer na nossa vocação ao amor pela família.

testemunho de Nuno Luís Fortes

 

______________

 

Ecos sobre o encontro de formação com o Padre José Granados

No passado dia 25 teve lugar uma jornada de formação sobre Pastoral Familiar, orientada pelo Pe. José Granados, vice-presidente do Instituto Pontifício Teológico João Paulo II para as Ciências do Matrimónio e da Família de Roma.

Inúmeras vezes foi referida a dimensão estruturadora da Pastoral Familiar como única pastoral não sectorial que integra e acompanha o percurso total da vida das pessoas. A Igreja tem o seu foco no homem, a vocação do homem passa pelo amor e este amor é aprendido e realmente vivido no seio da família. O problema de hoje é que o amor está: secularizado (o que não faz sentido se pensarmos que em todas as culturas a sexualidade aparece sempre ligada ao sagrado); privatizado (a sexualidade conjugal era a base da família e agora cada um é tudo para o outro); emotivizado (o amor tornou-se apenas uma emoção, um sentimento) e desencarnado (ser homem ou mulher já não interessa, o corpo não revela quem somos). Mas a família é precisamente o lugar a partir do qual somos salvos de naufragar no amor liquido do nosso tempo e, por isso, a família é a misericórdia de Deus. É na família que se aprende o conceito de “para sempre” pois a família onde se é amado e acolhido será sempre a “nossa” família. Em especial numa sociedade anti família, onde palavras como pai, mãe, filho, mulher, homem e amor estão cada vez mais a perder o seu verdadeiro significado, onde as pessoas têm cada vez mais dificuldade em se comprometer. Nas palavras de S. João Paulo II, “a família é o caminho da Igreja” e por essa razão falar de família é também falar de fé, como aliás é bem patente em toda a história do povo de Deus. Desde a criação de um primeiro casal, passando pela arca de Noé onde Deus providenciou uma casa para, a partir da família, recomeçar uma nova geração, incluindo Abraão cuja relação com Deus foi marcada pelas vicissitudes das relações familiares: a mulher que não podia ter filhos e a experiência de que os filhos são um dom de Deus. Finalmente culminando na encarnação onde Deus se fez homem no seio de uma família. O Pe. José Granados falou da família como uma arquitetura, onde a própria família é o sujeito da edificação e abordou os métodos usados na construção. Ouvir o Pe. Granados é como apreciar uma obra de arte naquilo em que a beleza revela o divino. A forma simples e clara como aborda temas tão complexos torna-os belos e atrativos. Enche-nos de confiança, restaura em nós a esperança e reafirma o sentido e a alegria que é trabalhar na Pastoral Familiar.

 

testemunho de Joana Dias Mendes e Maria José Vilaça

 

______________

 

Ecos do Encontro de Agentes de preparação para o Batismo – 18 de Novembro

Realizou-se no passado dia 18 de Novembro, no Seminário Nossa Senhora de Fátima, em Alfragide, o encontro anual de Agentes de preparação para o Batismo da Diocese de Lisboa.

O encontro teve duas vertentes, que decorreram em simultâneo:

a) Curso 0 - Formação de iniciação;

b) Formação Permanente

Foi um dia muito positivo, que começou com uma dinâmica de quebra-gelo que pode vir a ser utilizada pelos agentes nas suas sessões de CPB. Seguiu-se um momento de oração e reflexão, tendo como base a mensagem da Catequese do Santo Padre "o Batismo, Porta da Esperança". O almoço foi um tempo cheio de partilhas. Pela tarde cada grupo teve as suas dinâmicas específicas.

 

 

______________

 

Desafio de Natal da Pastoral da Família

 

A Pastoral Familiar do Patriarcado de Lisboa tem o prazer de convidar todas as famílias a participar no desafio de Natal 2017 com o tema “Como transmitem a Fé através da Palavra na vossa família?”, que decorrerá através do Facebook da Pastoral Familiar entre os dias 1/12 e 28/12.

 

Como funciona?

As famílias são convidadas a publicar no Facebook uma fotografia ilustrativa da forma como transmitem a Fé através da Palavra. Por exemplo em momentos de oração em família, em catequese familiar, etc.

Deverão publicar a foto e colocar um comentário na página de Facebook da Pastoral Familiar ou em alternativa, enviar para o endereço de email familia@patriarcado-lisboa.pt a fotografia e o comentário para nós publicarmos.

 

Como vencer o desafio?

Será um concurso de "gostos" na página de Facebook da Pastoral Familiar, sendo que a publicação com mais "gostos" será a vencedora do desafio de Natal deste ano.

 

Quando se anuncia a família vencedora?

A família vencedora será anunciada no dia 31/12 (dia da Sagrada Família) e receberá um prémio da Pastoral Familiar.

Participem!

 

______________

 

Sugestão de Advento: promover bênçãi das grávidas nas Comunidades

 

Neste tempo de advento e de esperança, sugerimos que as Comunidades convoquem as grávidas para uma celebração do dom da vida dos seus filhos. Esta é uma bela oportunidade para proporcionar o encontro destas famílias com Jesus, cujo nascimento aguardamos com entusiasmo na companhia de sua mãe, Maria.

 

______________

 

Formação de Agentes da Pastoral Familiar - Módulo 1 – 27/01/2018

 

Como já tem sido habitual, a Pastoral Familiar do Patriarcado de Lisboa propõe uma formação de iniciação para os agentes de Pastoral Familiar. A formação irá decorrer no Centro Diocesano de Espiritualidade, no Turcifal, entre as 10h e as 18h, de acordo com o seguinte programa:

- 27 de Janeiro de 2018 - O que é Pastoral Familiar?

- 24 de Fevereiro de 2018: Módulo 2 - O magistério sobre a Família

- 17 de Março de 2018: Módulo 3 - Exemplos de Pastoral Familiar

A formação tem um custo de 40¤, incluindo almoço e contribuição para o aluguer dos espaços e materiais. O pagamento da inscrição será realizado no período de acolhimento à formação (entre as 9h30 e as 10h00).

Quem iniciou a formação em anos anteriores mas não teve oportunidade de concluir todos os módulos, pode inscrever-se nas sessões que necessita completar. O preço de cada módulo é de 15¤.

As Inscrições abertas no nosso site até ao dia 21 de Janeiro de 2018. Participe!

 

______________

 

Domingo II do Advento – 10 de Dezembro de 2017: Os Casais

 

Neste tempo de advento, convidamo-lo a reservar algum tempo para que, com a sua família, possa fazer um momento de oração, propondo que em cada Domingo tenha a intenção particular por um dos elementos da família. Pode acompanhar as propostas de oração em cada Domingo na nossa página do Facebook (https://www.facebook.com/familia.patriarcadolisboa/). Depois de termos proposto a oração pelos anciões, neste segundo Domingo do Advento propomos convidar-vos a rezar pelos casais.

Neste domingo, a segunda Epístola de São Pedro fala-nos na esperança de um reino novo habitado pela justiça, mas também nos recorda que devemos ser os primeiros agentes da paz. Nas nossas casas, no nosso trabalho, nas nossas vidas, deixemo-nos contagiar pelo espírito de paz.

Hoje queremos rezar por todos os casais.

“É normal! Sucede que marido e mulher discutam, levantem a voz, litiguem e, às vezes, até voe qualquer prato! Não vos assusteis, quando isso acontece. O conselho que vos dou é este: nunca termineis o dia, sem fazer a paz. Sabeis porquê? Porque a «guerra fria» no dia seguinte é muito perigosa. «Padre, como proceder para fazer a paz?» – poderia perguntar um de vós. Não são precisos discursos; basta um gesto e… tudo acaba, a paz está feita. Quando há amor, um gesto ajusta tudo.” (Saudação do Papa Francisco por ocasião da XXI Jornada Mundial da Juventude – 28 de Julho de 2016)

Deus todo-poderoso, que como casal, sejamos capazes de ter presentes as três atitudes a que o Papa nos convida: «com licença», «obrigado» e «desculpa». Que esta paz que fazemos no seio do nosso lar, transborde para todos os que cruzam o nosso caminho e nos ajudem a ultrapassar todos os obstáculos que a vida conjugal nos coloca.

textos pela Pastoral Familiar de Lisboa
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES