Editorial |
P. Nuno Rosário Fernandes
O abraço com Deus
<<
1/
>>
Imagem

Esta semana fui particularmente sensível às palavras do Papa Francisco na catequese proferida na passada quarta-feira, 25 de outubro, sobre o paraíso. Integrada no ciclo de catequeses sobre a esperança, que iniciou no final do ano passado, Francisco deixou-nos esta semana uma imagem bela do paraíso, diferente daquilo que tantas dizemos ser, talvez para aliviar sentimentos porque o confronto com a morte é sempre motivo de dor e sofrimento. “O paraíso não é um lugar de fábula, e nem sequer um jardim encantado. O paraíso é o abraço com Deus Amor infinito, e nós entramos nele graça a Jesus, que morreu por nós na cruz”. Esta imagem do “abraço com Deus Amor infinito” remete-nos para a parábola do ‘Filho Pródigo’, que nos é contada pelo Evangelista São Lucas. A experiência vivida pelo filho que, arrependido, regressa a casa, depois de uma vida vivida a seu belo modo e prazer, é a experiência do perdão, da reconciliação. Afinal de contas, Deus não se nega a si próprio, e o seu Amor é abundante. Por isso, ser abraçado pelo Pai traz a alegria da paz interior, do consolo, do conforto, da segurança, mas, sobretudo da oportunidade de uma nova vida a recomeçar.

Se é assim em vida, fazer a experiência do abraço com Deus, no fim da vida, para a eternidade, deverá deixar-nos mais tranquilos. Isto quis-nos dizer o Papa Francisco. “Se acreditamos nisto, a morte deixa de nos fazer medo, e podemos esperar partir deste mundo de forma serena, com tanta confiança. Quem conheceu Jesus, não teme mais nada”, garante-nos o Papa Francisco.

Na próxima quarta-feira, dia 1 de novembro, a Igreja celebra a Solenidade de Todos os Santos e, no dia 2, os Fiéis Defuntos. Estas são, por tradição, oportunidades para lembrar e rezar por aqueles que já partiram, por aqueles que já fazem esta experiência de serem abraçados por Deus Amor infinito.

Não posso deixar de relevar a partida, nesta semana que passou, do Cónego Pires de Campos, que conheci numa semana vocacional no Seminário de Almada, em 1993, e de cuja memória retenho o seu olhar atento, sereno e tranquilo, e do Padre Henrique de Noronha Galvão, meu professor de Cristologia na Universidade Católica, cuja sabedoria teológica nos transmitia com alegria, simplicidade e sempre com uma história ou uma graça no meio. Que o abraço de Deus Amor infinito nestas vidas seja para nós sinal de esperança, por uma vida de entrega a Jesus Cristo.

   

Editorial, pelo P. Nuno Rosário Fernandes, diretor

p.nunorfernandes@patriarcado-lisboa.pt

A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES