Missão |
Bruna Benido
“Marcamos muitas vidas, a começar pelas nossas”
<<
1/
>>
Imagem

Bruna Benido licenciou-se em Enfermagem e trabalha atualmente num Lar de Idosos em Belém. Estar ao serviço dos outros e permitir que os outros tenham uma vida melhor foi sempre um objetivo de vida para a Bruna e algo que foi aprendendo a realizar no dia-a-dia desde muito nova.

 

A Semente da Missão

“Nunca ambicionei salvar o mundo, sempre tive noção dos meus limites, mas sabia que com pequeninas coisas podia fazer uma grande diferença no dia-a-dia das pessoas. É como Enfermeira e nessa ‘arte do cuidar’ que encontro, diariamente, esse espaço para tornar a vida dos outros um bocadinho melhor”, refere.

Olhando para os primeiros anos de estudo, Bruna recorda os anos do ensino básico, vividos no Colégio do Bom Sucesso em Belém, das Irmãs Doroteias Irlandesas: “foi graças a elas que conheci um Jesus que vem ao meu encontro diariamente, que me ama, que me dá colo, que me ensina, que é meu amigo mas que também é Pai, exigente e que me desafia a servir todos os dias.” Com a entrada no ensino secundário, Bruna mudou de escola e também abraçou um novo desafio na caminhada cristã, entrando para o Agrupamento de Escuteiro 1208 Miraflores: “uma verdadeira escola que me despertou para a importância de servir sempre, onde quer que esteja.” Em Outubro de 2010, com 23 anos, chegava o momento de decidir o caminho a seguir: continuar ao serviço do Agrupamento integrada na equipa de animação ou procurar outra forma de continuar a servir a minha comunidade. Foi então que Bruna descobriu que na sua Paróquia de Algés, todos os anos, a Associação Equipa d’África, ONGD, formava voluntários para partir em Missão, para aldeias no interior do nosso país ou para Moçambique: “decidi arriscar e conhecer melhor o trabalho que desenvolvem, procurava um novo grupo, um novo desafio e mais uma oportunidade de crescimento… porque não?”

 

Equipa d’África

Em Novembro de 2010 Bruna iniciou a sua formação na Associação Equipa d’África e em Agosto de 2011 partiu para Moçambique – Macomia, e no ano seguinte voltou a partir em missão para Moçambique, desta vez com destino a Maúa, na Província do Niassa, em projetos de curta duração (um mês e meio). Mas a Missão não se esgota além-fronteiras e, consciente disso, em Agosto de 2013, Bruna integrou uma nova missão, desta vez no Gavião, distrito de Portalegre, durante duas semanas.

“O terminar de cada missão de curta duração não saciava esta sede de servir, de amar, de viver nesta entrega total ao outro e à vontade de Deus e por isso eu e o Miguel (na altura meu namorado, agora marido desde Outubro deste ano) disponibilizámo-nos para partir em longa duração.” Este desejo de servir numa missão de longa duração concretizou-se em janeiro de 2014 com a partida para Mecanhelas e Entre-Lagos, duas comunidades no norte de Moçambique, onde os Padres Missionários da Consolata e as Irmãs da Divina Providência estão presentes. Todas as comunidades os receberam de braços abertos: “foram eles que nos acolheram e que nos carregaram no colo em todos os momentos, fizeram questão de nos levar a suas casas, de nos oferecer o que tinham e confiaram... confiaram em nós e naquilo que temos para dar como nunca ninguém tinha confiado (profissionalmente) e entregaram-nos momentos importantes das suas vidas como se fossemos família, inclusive a escolha dos nomes dos seus filhos ou dos seus netos...”

 

“Não vamos mudar o mundo!”

“Muitas vezes partimos pensando que vamos mudar o mundo... não vamos! Mas marcamos muitas vidas, sem dúvida, a começar pelas nossas! E esta mudança tem um impacto enorme no Mundo, impacto esse assustadoramente incalculável... Grande parte desse impacto e dos frutos que irá gerar nós não vamos conhecer... mas vale a pena arregaçar as mangas, este é o sentido da missão, estarmos ao serviço do outro e para o outro!” Sempre consciente dos seus limites, Bruna sempre soube que aquilo que lhe era pedido era de estar presente e de crescer, ajudando também a crescer as comunidades que a acolhiam: “o maior contributo destas Missões, tanto para as comunidades que nos acolhem como para nós, é o de crescermos juntos! Neste desejo de Missão, a vontade de servir é grande... mas é um servir com eles, trabalhar com eles, crescermos juntos. O povo não pediu a nossa presença, ninguém disse que precisava de nós... nós é que sentimos este apelo para servir mais, para amar mais... e é este o grande contributo... a magia de unir dois mundos tão diferentes, de dar a conhecer o que existe do lado de cá, de abrir mentalidades e ao mesmo tempo de receber tudo aquilo que eles nos têm para ensinar! A riqueza está nesta partilha, neste ‘crescer com’, neste caminhar juntos!”

 

O regresso a Portugal

A Bruna e o Miguel regressaram a Portugal nas vésperas do Natal de 2014. Traziam consigo o desejo de “continuar a viver na simplicidade dos dias em Moçambique”. Depois de crescerem juntos em Missão, decidiram abraçar o compromisso do Matrimónio: “família e amigos foram apanhados de surpresa, pois não tínhamos emprego, não tínhamos estabilidade, mas tínhamos o principal: o convite de Deus a uma nova Missão, a de construir uma família. Com mais ou menos dificuldades, Deus vai providenciando e assim, a 17 de Outubro de 2015 (fim-de-semana em que se celebrou o Dia Mundial das Missões) demos o nosso SIM.” Agora o desafio da Missão permanece: “daqui para a frente a grande missão é a de sermos missionários no nosso dia-a-dia e é isso que tentamos fazer agora, sermos missionários em Portugal junto da nossa família, dos nossos amigos, no nosso trabalho, junto de quem nos rodeia e onde Ele nos chamar... É sermos Missão, onde Ele quiser... E é tão bom viver assim!”

texto por Emanuel Oliveira Soeiro, FEC – Fundação Fé e Cooperação
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Se há exemplo de ativismo cívico e religioso e para o impulso permanente em prol da solidariedade, da...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Há temáticas sobre que tem falado o Papa Francisco de forma recorrente e que são da maior relevância, mas nem sempre têm o eco que seria devido.
ver [+]

Tony Neves
O Dia Mundial da Criança comemora-se a 1 de junho, em diversos países, incluindo Portugal, Angola, Moçambique…...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES