Papa |
A uma janela de Roma
“Convidai Jesus para o vosso matrimónio”
<<
1/
>>
Imagem
O Papa voltou a falar aos casais. Na semana em que a ONU e o Vaticano se mostraram unidos contra as alterações climáticas, o Papa Francisco falou aos pobres e traçou o perfil dum verdadeiro sacerdote. O Jubileu da Misericórdia já tem site oficial.

 

1. O Papa Francisco exortou os cristãos a não terem medo de convidar Jesus para o seu matrimónio. “Devemos interrogar-nos seriamente sobre as razões que levam tantos jovens a optar por não se casarem e preferem a convivência. Porque não se casam?”, perguntou o Papa, respondendo que “as dificuldades não são apenas de caráter económico, nem se ficam a dever – como querem alguns – à emancipação da mulher”. “Na realidade, quase todos os homens e mulheres sonham com uma segurança afetiva estável, um matrimónio sólido e uma família feliz. A família aparece mesmo no topo das preferências dos jovens mas, com medo de falir, muitos descartam-na; e este medo de falir é talvez o maior obstáculo para aceitarem a palavra de Cristo, que promete a sua graça à união conjugal e à família. O testemunho mais persuasivo da bênção do matrimónio cristão é a vida boa dos esposos cristãos e da família. Não há modo melhor para manifestar a beleza deste sacramento!”, observou o Papa, durante a audiência-geral da passada quarta-feira, dia 29 de abril, na Praça de São Pedro.

Francisco referiu ainda que os cristãos devem ser mais exigentes com a igualdade de retribuição para igual trabalho, entre homem e mulher. Ao mesmo tempo, “deve ser reconhecida como uma riqueza a maternidade e a paternidade”, acrescentou o Papa, que concluiu a sua catequese dizendo aos fiéis para não terem medo de convidar Jesus para as suas núpcias.

 

2. A ONU e o Vaticano deram esta terça-feira, dia 28 de abril, provas de estarem unidos na luta contra as alterações climáticas. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, esteve em Roma para inaugurar uma conferência sobre alterações climáticas, promovida pela Academia Pontifícia para as Ciências, tendo sido recebido em audiência pelo Papa Francisco. Ambos sublinharam a importância de agir para impedir a continuação dos efeitos prejudiciais da ação dos homens sobre a natureza. “A mitigação das alterações climáticas e a adaptação aos seus efeitos são necessárias para que se consiga erradicar a pobreza extrema, reduzir as desigualdades e garantir desenvolvimento económico sustentável e equitativo", afirmou Ban Ki-Moon, no seu discurso de abertura da conferência.

O Papa Francisco não falou em público no final do seu encontro com Ban Ki-Moon, mas o secretário-geral da ONU diz que os dois falaram sobre a encíclica que Francisco está a escrever sobre o ambiente. "A encíclica vai mostrar ao mundo que a proteção do ambiente é um imperativo moral e um dever sagrado para as pessoas de fé e para as pessoas de consciência", afirmou Ban Ki-Moon.

O Papa já referiu esperar que a sua encíclica sirva para influenciar positivamente a conferência da ONU sobre alterações climáticas que se vai realizar este ano em Paris.

 

3. Uma Igreja de Roma sempre mais “mãe atenta e cuidadosa para com os mais fracos”. Este é o desejo expresso pelo Papa Francisco numa vídeo-mensagem enviada à Caritas romana, por ocasião do espetáculo ‘Se não fosse por ti’, apresentado na noite da passada terça-feira, no Teatro Brancaccio. Os atores são pessoas assistidas pelas estruturas da Caritas e o valor angariado com os bilhetes destina-se aos projetos de solidariedade da organização. “Vocês, para nós, não são um peso. São a riqueza sem a qual as nossas tentativas de descobrir a face do Senhor são vãs. Poucos dias após a minha eleição, recebi de vocês uma carta de felicitações e de oferta de oração. Recordo de ter imediatamente respondido, dizendo que vos levo no coração e que estou à vossa disposição. Confirmo estas palavras. Naquela ocasião pedi-vos para rezarem por mim. Renovo este pedido. Tenho realmente necessidade disso”, salientou o Papa. “Todos temos fraquezas, todos nós as temos, cada um as suas. Como eu gostaria que as comunidades cristãs em oração, à entrada de um pobre na igreja, se ajoelhassem em veneração do mesmo modo como quando entra o Senhor!”, desejou Francisco.

 

4. O Papa Francisco pediu aos padres, no passado Domingo, 26 de abril, para as homilias não serem monótonas: "Que cheguem justamente ao coração das pessoas porque saem do vosso coração". Francisco falava na Basílica de São Pedro, onde ordenou 19 sacerdotes formados nos seminários diocesanos de Roma. Dirigindo-se aos ordinandos, o Papa recordou que serão “partícipes da missão de Cristo, único Mestre". "Deem a todos a palavra de Deus que vós mesmos recebestes com alegria. Leiam e meditem assiduamente a Palavra do Senhor para acreditar naquilo que leram, ensinar aquilo que aprenderam na fé e viverem aquilo que ensinaram”. O Papa recordou aos futuros sacerdotes que quando celebram a Missa devem “reconhecer aquilo que fazem. Não fazer com pressa!”. “Nunca recusem o Batismo a quem o pedir!”, advertiu ainda o Papa Francisco. “E eu, em nome de Jesus Cristo, o Senhor, e da sua Esposa, a Santa Igreja, vos peço para não vos cansarem de serem misericordiosos. No confessionário vocês estarão para perdoar, não para condenar! Imitem o Pai que nunca se cansa de perdoar”.

Ao traçar o perfil de um verdadeiro sacerdote, Francisco advertiu: “Conscientes de terem sido escolhidos entre os homens e constituídos a seu favor para esperar as coisas de Deus, exerçam na alegria e na caridade sincera a obra sacerdotal de Cristo, unicamente com a intenção de agradar a Deus e não vós próprios. É feio um sacerdote que vive para agradar a si mesmo… É um pavão!”.

Neste mesmo dia, o Papa rezou pelas vítimas do sismo no Nepal. “Quero assegurar a minha proximidade às populações atingidas por um forte terramoto no Nepal e países vizinhos. Rezo pelas vítimas, pelos feridos e por todos aqueles que sofrem por causa desta calamidade. Que eles tenham o apoio da solidariedade fraterna”, afirmou. Entretanto, a Santa Sé enviou uma ajuda à Igreja local de 100 mil dólares, para o socorro aos atingidos.

 

5. O Vaticano inaugurou o site oficial do Jubileu da Misericórdia, acessível em www.iubilaeummisericordiae.va. O site está disponível em português, espanhol, italiano, polaco, francês e inglês e apresenta, na homepage, o lema do Jubileu: ‘Misericordiosos como o Pai’.

Aura Miguel, à conversa com Diogo Paiva Brandão
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
O poema chama-se “Missa das 10” e foi publicado no volume Pelicano (1987). Pode dizer-se...
ver [+]

Tony Neves
Cerca de 3 mil Espiritanos, espalhados por 63 países, nos cinco continentes, anunciam o Evangelho....
ver [+]

Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES