Missão |
Grupo Missionário Ruah
Um grupo disponível para a Missão
<<
1/
>>
Imagem
O Grupo Missionário Ruah surgiu no final de setembro de 2011, no seio da Comunidade Paroquial de Carnaxide. Jorge Magalhães, um dos dinamizadores deste grupo apresenta-nos melhor a dinâmica e as diversas experiências já vividas nestes últimos anos.

 

Viver como “discípulos de Jesus”

Este grupo surgiu com a intenção de “animar a sensibilidade missionária, o que significa recordar que esta é a forma de viver de todos os cristãos”. No seio do grupo há espaço para que cada pessoa possa fazer um percurso de “descoberta, de aprendizagem, de partilha da jornada com os companheiros, próprio de quem, pouco a pouco, vai assumindo o dinamismo de ser discípulo de Jesus”. Na sua origem e também presente em todo o dinamismo do grupo, está o padre Luciano Vieira, SCJ. Proveniente de uma congregação religiosa – os Sacerdotes do Coração de Jesus (os Dehonianos) – com um carisma marcadamente missionário, despertou nos membros do Grupo Missionário Ruah a realidade da missão como um “espaço contínuo de encontro, de partilha e de testemunho, que se concretiza na disponibilidade para servir, na atenção aos mais frágeis e na entrega confiante da vida ao projeto de Deus”.

 

Um caminho de aprofundamento da vida e da fé

O grupo acolhe sobretudo aqueles que, depois da iniciação cristã, “querem amadurecer a sua procura, fazer um caminho de aprofundamento da vida e da fé, acolhendo a riqueza de diferentes histórias, idades e interesses”. Atualmente o grupo conta com cerca de 25 pessoas, que “unidos procuram espalhar, primeiro na comunidade paroquial e também junto de outras comunidades, a fraternidade, a alegria e a esperança que brotam do seu encontro com o Evangelho”.

 

Uma comunidade alargada pela fé

O primeiro espaço de intervenção do grupo é a Comunidade Paroquial de Carnaxide onde o grupo nasceu: “é aqui, antes de mais, que nos renovamos mutuamente para despertar como família, como comunhão, um pequeno contributo no grande compromisso cristão de construir a fraternidade universal”. Neste sentido o grupo promove diversas iniciativas onde se destacam os encontros com as crianças da catequese com o objetivo de as despertar para a importância da missão além fronteiras.

Outras experiências muito fortes têm sido a partida de alguns membros do grupo, depois de um longo tempo de formação, para outras comunidades cristãs. Destacam-se as partidas durante um mês para a comunidade de Metangula (Niassa, Moçambique), de Viana (Luanda, Angola) e de Cachopo (Algarve, Portugal): “em Metangula, partilhamos a vida junto de uma comunidade de minoria católica, dispersa num imenso território, mas fortemente empenhada e a crescer. A simplicidade desta comunidade, o seu forte empenho no cuidado para com os mais necessitados e a sua alegria e testemunho cristão foram para nós um forte estímulo. Ali pudemos aprofundar o que significa ser missionário: viver a simplicidade do Evangelho e a radicalidade da vida, como entrega gratuita”. Também em Viana e em Cachopo o grupo encontrou comunidades cristãs marcadas pela simplicidade, pelo testemunho de vida e pelo serviço aos irmãos que concretizam no dia-a-dia a beleza e a verdade do Evangelho.

De uma forma muito simples e muito prática os elementos do Grupo Missionário Ruah têm crescido na fé: “em todas estas experiências crescemos na compreensão de que a missão é cuidar do outro, ser para todos o rosto e o gesto de Jesus, que assim queremos comunicar”.

texto por Emanuel Oliveira Soeiro, FEC – Fundação Fé e Cooperação
A OPINIÃO DE
Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Segundo a Conferência Episcopal Portuguesa, ninguém pode ser obrigado a comungar na mão, nem proibido de comungar na boca.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Se há exemplo de ativismo cívico e religioso e para o impulso permanente em prol da solidariedade, da...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES