Especiais |
Jornal VOZ DA VERDADE organizou peregrinação a Roma
Protagonistas da história
<<
1/
>>
Imagem
Quatro dias de emoções fortes, muito fortes. É desta forma que os 48 participantes da peregrinação a Roma que o Jornal VOZ DA VERDADE organizou, entre 26 e 29 de abril, para participar na canonização dos Papas João XXIII e João Paulo II, descrevem os dias vividos em Roma. No meio da grande multidão, muitos não conseguiram ver o Papa Francisco, mas todos se sentiram protagonistas da história ao viver um acontecimento único na vida da Igreja.

 

São 12h15 do dia 26 de abril. Junto ao balcão da Agência Geostar, no aeroporto de Lisboa, começa a juntar-se a meia centena de peregrinos que, com o Jornal VOZ DA VERDADE, iria participar em Roma na canonização dos Papas João XXIII e João Paulo II. A expectativa era grande. Poucas pessoas se conheciam. Eram rostos desconhecidos aqueles que se aglomeravam naquele final de manhã. Unia-os o amor a Cristo e a vontade de participar numa celebração que ficou na história da Igreja universal.

Cumpridos os trâmites habituais nestas ocasiões, o voo com destino a Roma levanta à hora marcada (14h50). A chegada à capital italiana, tal como previsto, acontece cerca de duas horas e meia mais tarde. A mudança para a hora italiana faz com que sejam já quase 19 horas. Era tempo de ir jantar e rumar ao hotel para descansar. Afinal, o despertador no Domingo iria tocar cedo: 2h15! Foi esta a hora marcada entre os peregrinos, o guia turístico Eduardo e o diretor do jornal, padre Nuno Rosário Fernandes, que acompanhou a peregrinação, juntamente com este jornalista. A unidade hoteleira estava situada a cerca 15 quilómetros de Roma. “Numa área de 100 quilómetros à volta de Roma, não há uma cama de hotel vaga. Eu estou cá há 30 anos e nunca vi nada assim. É uma multidão!”, confidenciava, no autocarro, o guia turístico. A saída do hotel aconteceu às 3 horas da manhã. Faltavam 7 horas para a canonização, marcada para as 10 horas romanas, e o desejo era conseguir chegar o mais perto possível da Praça de São Pedro.

Bem junto ao Castelo Sant’Angelo, no final da grande Via della Conciliazione, que une a praça a este castelo, são milhares os polacos que ainda dormem, deitados no chão, em sacos de cama. O grupo foi andando e conseguiu chegar até meio da Via della Conciliazione. Era impossível avançar mais. Por todas as avenidas circundantes, milhares e milhares de pessoas tentavam ‘furar’ para conseguir chegar o mais perto possível da Praça de São Pedro. A solução passou por acompanhar a canonização através dos vários ecrãs gigantes. Rodeados por inúmeras bandeiras da Polónia, mas também da Croácia, Ucrânia, República Checa, Espanha, França, Itália, China, Uruguai, Peru, México, Colômbia e, claro, Portugal, entre outras, era o mundo cristão que se unia numa grande “festa da fé”, como lhe chamou o Papa Francisco durante a homilia da celebração. As margens do Rio Tibre estavam cheias de peregrinos. Os números dizem que mais de um milhão de pessoas se deslocou a Roma por aqueles dias! Momentos antes da celebração, os ecrãs iam passando imagens dos Papas que iam ser elevados aos altares. Sempre que João Paulo II aparecia nas ‘grandes telas’, soavam palmas, muitas palmas, sobretudo dos polacos, que estavam em clara maioria no Vaticano.

No final da celebração, a surpresa: o Papa Francisco, de papamóvel aberto, percorreu como habitualmente a Praça de São Pedro, mas também, e pela primeira vez, toda a Via della Conciliazione. Falava mais alto o desejo do Sucessor de Pedro de estar com cada um dos peregrinos que se tinha deslocado a Roma para a canonização de dois dos seus antecessores. “A minha saudação vai para todos os peregrinos, aqui na Praça de São Pedro, nas ruas adjacentes e noutros lugares de Roma, bem como a todos os que estão unidos a nós através da rádio e televisão”, disse Francisco, antes da oração mariana do ‘Regina Coeli’, no final da Missa da canonização. Entre o grupo do Jornal VOZ DA VERDADE, os mais resistentes conseguiram ver o Papa argentino. Outros houve que foram a Roma e não viram o Papa… mas entre todos, o sentimento era de que tinham acabado de se tornar protagonistas da história.

 

_____________


MISSA DE AÇÃO DE GRAÇAS PELA CANONIZAÇÃO DE JOÃO PAULO II

Na manhã de segunda-feira, 28 de abril, no dia seguinte à canonização, o grupo do Jornal VOZ DA VERDADE participou, nos primeiros lugares sentados da Praça de São Pedro, na Missa de ação de graças pela elevação de João Paulo II a santo. Presidida pelo cardeal Angelo Comastri, arcipreste (administrador) da Basílica de São Pedro, esta celebração reuniu mais de 80 mil pessoas, sobretudo polacos que continuavam a encher o Vaticano.

 

BASÍLICA DE SÃO PAULO FORA DE MUROS

Ainda na segunda-feira, a tarde foi dedicada a visitas e momentos de oração, com início na Basílica de São Paulo Fora de Muros, uma das quatro basílicas patriarcais de Roma e a segunda maior basílica católica romana.

 

BASÍLICA DE SÃO JOÃO DE LATRÃO

A Catedral de Roma, a Basílica de São João de Latrão, que é a mais antiga daquela cidade (consagrada no ano 314) e a sede do Bispo de Roma (o Papa), foi também visitada pelo grupo.

 

BASÍLICA DE SANTA MARIA MAIOR

A tarde do dia 28 terminou na Basílica de Santa Maria Maior, a última das quatro basílicas patriarcais de Roma a ser construída (entre os anos 432 e 440).

 

BASÍLICA DE SÃO PEDRO

Na terça-feira, dia 29 de abril e último dia da peregrinação do Jornal VOZ DA VERDADE a Roma, foi visitada a Basílica de São Pedro, a maior basílica da Igreja Católica, onde cabem todas as basílicas do mundo. Após cerca de duas horas de espera na fila, o grupo rezou pela Diocese de Lisboa, junto ao túmulo de São João Paulo II.

 

MISSA NA CAPELA SISTINA DA BASÍLICA DE SANTA MARIA MAIOR

Antes da partida para o aeroporto de Fiumicino, em Roma, o grupo do Jornal VOZ DA VERDADE celebrou a Eucaristia na Capela Sistina da Basílica de Santa Maria Maior. Foi um momento de louvor a Deus pelos dias vividos na capital italiana, como sublinhava o diretor do semanário do Patriarcado, que presidiu a esta celebração.

texto e fotos por Diogo Paiva Brandão
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES