Lisboa |
Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo
Patriarca reza pela paz no mundo no final da procissão do Corpo de Deus
<<
1/
>>
Imagem
Video

O Patriarca de Lisboa rezou pela paz em “todos os países que sofrem violência”, no final da procissão do Corpo de Deus que percorreu as ruas da Baixa nesta quinta-feira, dia 30 de maio. “Jesus tem uma palavra para nos dizer: «Não tenhas medo». Não temas, não receies. Um pormenor interessantíssimo: alguém contou as vezes em que Deus se dirigiu à humanidade e diz «não tenhas medo». Curiosamente, 365 vezes! Os mesmos dias que o ano tem… Mas há ainda outra palavra de Deus à humanidade: «A paz esteja convosco». Esta paz, cara irmã e caro irmão, com o auxílio de Jesus, começa por ser construída dentro do coração de cada um de nós. É uma paz que depois se alastra às nossas famílias, aos nossos ambientes de trabalho, aos nossos grupos de amigos, aos nossos próximos. Mas é uma força, esta, da paz, que nós queremos ver chegar definitivamente, não mais adiar, seja no Médio Oriente, seja na Ucrânia. A paz esteja convosco, a paz esteja com os nossos irmãos e irmãs de todos os países que sofrem violência”, rezou D. Rui Valério, no adro da Sé, durante a bênção à cidade de Lisboa, no final da procissão do Corpo de Deus.

O Patriarca destacou ainda que “a resposta” do cristão “ao Senhor é um «sim»”. “Tal como fez a Virgem Santíssima: «Sim, eis-me aqui, podes-me enviar». Jesus pode contar connosco para construir o seu reino de paz, de justiça, de solidariedade e de amor, na nossa cidade, nas nossas vidas, no nosso país. Sim, envia-nos Senhor! A nossa presença aqui, esta tarde, neste radiante dia de primavera, tem exatamente esse sabor: é uma disponibilidade para cumprir-se na Eucaristia. Ele pode contar connosco, o nosso sim eterno, intemporal ao Senhor. Sim a Cristo, em todas as horas”, terminou.

 

“Obrigado Jesus!”

No início da sua reflexão, D. Rui Valério tinha agradecido a Cristo. “Obrigado Jesus! Vieste ao nosso encontro para nos renovarmos nessa capacidade de sermos, como Tu és para nós fonte de esperança, nós o sermos para os outros. Obrigado Jesus! Obrigado Jesus porque hoje caminhaste connosco, ao nosso lado, calcorreaste mesmo este alcatrão, esta calçada, estas estradas. Quantas vezes, ao longo do ano, muitos de nós não percorremos estas mesmas avenidas, não pisamos este mesmo chão levando consigo tanta alegria, mas outras vezes tanta frustração, tanto problema. E hoje o peregrino destas ruas, o peregrino destas estradas, foi Aquele que nos acompanhou, Jesus”, salientou.

Neste sentido, segundo o Patriarca de Lisboa, houve “uma certeza” que os cristãos “levaram no coração para a vida e para casa”, após a procissão. “A certeza de que não estamos sozinhos. Com Cristo, tudo se pode superar, todas as metas se podem alcançar. Obrigado Jesus!”, frisou D. Rui Valério, no Largo da Sé Patriarcal.

 

Agradecimento

No final da procissão do Corpo de Deus pelas ruas da Baixa, o Patriarca de Lisboa deixou, numa mensagem vídeo, um agradecimento “a todas as pessoas e instituições que não se pouparam a esforços, e talvez a sacrifícios, para proporcionar ao povo e à cidade de Lisboa uma manifestação de fé, de cultura e de esperança”.

“O vosso labor, a vossa disponibilidade, a vossa colaboração é pelo povo de Deus, é pela cidade, é pela Igreja, é pelo mundo. Bem-haja”, referiu D. Rui Valério, no vídeo, após enumerar cada entidade que colaborou na procissão do Corpo de Deus 2024.

 

fotos por Manuel Carmo, membro da Congregação do Espírito Santo
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
O poema chama-se “Missa das 10” e foi publicado no volume Pelicano (1987). Pode dizer-se...
ver [+]

Tony Neves
Cerca de 3 mil Espiritanos, espalhados por 63 países, nos cinco continentes, anunciam o Evangelho....
ver [+]

Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES