Lisboa |
Vigília de Oração pelas Vocações
Patriarca lembra a “adesão total a Jesus Cristo no amor”
<<
1/
>>
Imagem

O Patriarca de Lisboa presidiu à Vigília de Oração pelas Vocações, na noite desta sexta-feira, 19 de abril, destacando que é “a partir do encontro com Jesus” que cada um se encontra com a sua “vida” e a sua “história”.

“Nenhuma história de vida é tão história de amor como aquela história de quem é chamado e vive o chamamento de Jesus. É uma aventura, é um romance de paixão”, garantiu D. Rui Valério, na capela da casa das Irmãzinhas dos Pobres, em Campolide. “Ao contrário do que sucede na nossa experiência antropológica, com o namoro, por exemplo, este encanto maravilhoso, ritmado por uma progressiva descoberta do coração, do amor de Jesus por nós, tem algumas particularidades. Uma delas é que não há hora de O apaixonado chegar ou partir: Ele está sempre. Uma outra particularidade é que este apaixonado por nós, que é Jesus, parece e faz questão de tomar parte em todos os recônditos da tua vida. Seja que trabalhas, seja que penses, seja que rezes, a sua presença é uma presença que não se interrompe. A terceira experiência maravilhosa é quando nós descobrimos que somos aquilo que somos porque somos amados por Cristo. E isto é fascinante!”, acrescentou.

Na presença sacerdotes, religiosos e religiosas de diversas congregações, mas também de seminaristas, consagradas, leigos e muitos jovens, o Patriarca sublinhou que “a vida só passa a ter um sentido maior, autêntico, verdadeiro, a partir do amor que o Senhor tem para com cada um de nós”. “A experiência da vocação, a experiência vocacional é uma experiência não só de encontro com Jesus, mas a partir deste encontro com Jesus nós encontramo-nos connosco, com a nossa vida, com a nossa história”, testemunhou.

Promovida pelo Setor da Pastoral Vocacional do Patriarcado, a Vigília de Oração pelas Vocações teve como tema ‘Chamados a semear a esperança e a construir a paz’. “O amor que o Senhor tem para connosco é um amor que nos é oferecido e que no nosso coração germina, e o fruto que dá não são só as boas obras de caridade, as boas obras aqui na terra, mas o principal fruto é a adesão total a Jesus Cristo no amor”, referiu com D. Rui Valério, que terminou a sua meditação com uma frase: ‘Se amas, sofrerás, provavelmente morrerás, porque darás a vida; mas se não amas, já estás morto’.

A noite de oração e silêncio, com a exposição do Santíssimo Sacramento, foi intercalada por momentos de reflexão a partir da Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações 2024 e terminou com a Bênção com o Santíssimo pelo Patriarca de Lisboa.

texto e fotos por Diogo Paiva Brandão
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Se há exemplo de ativismo cívico e religioso e para o impulso permanente em prol da solidariedade, da...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Há temáticas sobre que tem falado o Papa Francisco de forma recorrente e que são da maior relevância, mas nem sempre têm o eco que seria devido.
ver [+]

Tony Neves
O Dia Mundial da Criança comemora-se a 1 de junho, em diversos países, incluindo Portugal, Angola, Moçambique…...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES