Lisboa |
Missas de Natal no Estabelecimento Prisional de Tires
“No presépio descobrimos o amor e a ternura de Deus”
<<
1/
>>
Imagem

O Bispo Auxiliar de Lisboa, D. Joaquim Mendes, celebrou o Natal com as reclusas do Estabelecimento Prisional de Tires.

“No presépio descobrimos o amor e a ternura de Deus, que desceu até nós para nos elevar até Ele. A sua presença traz luz e esperança à nossa vida, ilumina as trevas do nosso sofrimento, cura as feridas do coração, salva-nos, dá-nos paz e a força para irmos em frente com a certeza de que o mal, a injustiça, o sofrimento e até a morte não têm a última palavra”, salientou o prelado, na manhã de dia 25 de dezembro, em duas celebrações, primeiro com as reclusas preventivas e depois com as restantes reclusas desta prisão situada no concelho de Cascais. “A festa do Natal é sobretudo dos pobres e dos humildes da terra, que, como os pastores, O acolhem sempre de novo e experimentam a sua presença, que enche os seus corações de alegria e de esperança e os levam a falar dele a todos, como aconteceu com os pastores”, acrescentou o Bispo Auxiliar de Lisboa, que nesta sua visita ao Estabelecimento Prisional de Tires ofereceu a cada pessoa um exemplar do livro do Papa Francisco ‘O Sinal Admirável, sobre o significado e valor do Presépio’ e às reclusas que têm filhos deu um postal com o presépio, com uma mensagem de paz e com uma pequena imagem do Menino Jesus, para estas mães oferecerem aos filhos que estão institucionalizados na Casa que está fora do estabelecimento prisional.

A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Se há exemplo de ativismo cívico e religioso e para o impulso permanente em prol da solidariedade, da...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Há temáticas sobre que tem falado o Papa Francisco de forma recorrente e que são da maior relevância, mas nem sempre têm o eco que seria devido.
ver [+]

Tony Neves
O Dia Mundial da Criança comemora-se a 1 de junho, em diversos países, incluindo Portugal, Angola, Moçambique…...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES