Lisboa |
Curso vai ter ainda mais duas sessões
Oratório de São Josemaria enche-se de jovens para debater o namoro cristão
<<
1/
>>
Imagem

O auditório do Oratório São Josemaria, em Lisboa, tem-se enchido de jovens para debater o ‘Namoro cristão’. O curso vai ter ainda mais duas sessões, nas segundas-feiras dias 23 e 30 de outubro, às 19h30, e é aberto a todos os jovens dos 17 aos 37 anos, estejam ou não a namorar.

Pela segunda vez, o auditório do Oratório São Josemaria, em Lisboa, encheu-se de jovens para mais uma sessão do curso de namoro cristão. No dia 9 de outubro, segunda-feira, o auditório encheu-se para ouvir o testemunho da Leonor e do Francisco Baptista, que casaram há 4 meses após um namoro de 6 anos. O curso e a sessão foram apresentados pelo padre Miguel Cabral, responsável pelo Oratório, que explicou que tinha convidado o Francisco e a Leonor (que já tinham participado neste curso numa edição anterior) para responder à pergunta ‘Para que serve o namoro’’. Começaram por nos propor uma definição muito especial para esse tempo: “Namorar é aprender a Amar aquele que namoramos para a vida inteira”. Entre estórias e piadas, deixaram cinco sugestões práticas para viver bem o namoro cristão: procurar crescer e fazer crescer o outro durante o namoro, falar a dois sobre a castidade, cultivar a confidência e a confiança procurando serem os melhores amigos um do outro, guardar o coração, e estar atento a formas de servir o outro.

A esta primeira sessão seguiu-se outra, no dia 16, para ouvir a Leonor e o Francisco (desta vez Almeida). ‘Porquê casar-se e não juntar-se?’ foi o mote que deu início ao testemunho deste um casal jovem (ambos têm 25 anos) em frente a um auditório que novamente não tinha espaço para acolher todos os interessados. Começaram por falar do namoro, mas desta vez sobre o que procurar na relação quando se pensa em casar: um desejo de querer crescer em virtude, uma boa capacidade de resolução de conflitos, uma alegria profunda, segura e confiante (e não o entusiasmo típico de estar apaixonado), e uma aproximação a Deus que é fruto da relação com o outro. A seguir, partindo do rito do Sacramento do Matrimónio, da Sagrada Escritura, e do Catecismo, explicaram o que era o casamento, e que, apesar de haver momentos difíceis em todas as relações, só no casamento é que contamos com a Graça de Deus para os superar e viver em plenitude. Terminaram a dizer que os bons momentos superam em muito os maus, e deixaram aos jovens um desafio: “Não tenham medo!”

Para inscrições e mais informações pode consultar o link https://tinyurl.com/namoro2023.

A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Quando Jean Lacroix fala da força e das fraquezas da família alerta-nos para a necessidade de não considerar...
ver [+]

Tony Neves
É um título para encher os olhos e provocar apetite de leitura! Mas é verdade. Depois de ver do ar parte do Congo verde, aterrei em Brazzaville.
ver [+]

Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES