Lisboa |
Círios em Peniche
“Dos Remédios levarás mais fé!”
<<
1/
>>
Imagem

Terceiro Domingo de outubro, dia dos Círios a Nossa Senhora dos Remédios, em Peniche! Amanheceu cinzento e chuvoso, mas nem isso impediu os muitos peregrinos de irem chegando. E chegaram das terras vizinhas e também de Peniche, individualmente ou em grupos. Às 11h00, a Eucaristia presidida pelo Patriarca de Lisboa, concelebrada por vários sacerdotes. A homilia de D. Rui Valério assentou em três palavras! Uma primeira, para Maria: “Eis-nos, Senhora dos Remédios! Representantes de uma humanidade dilacerada pela guerra, pela incerteza do futuro, desiludida, com fome de infinito. Senhora dos Remédios dai-nos o bálsamo da Paz… dai-nos Jesus, pão da vida e água viva”, pediu. Uma segunda palavra para quem estava: “A oração e a contemplação são um investimento e um tempo que se multiplica, fundamental para encontrar Deus nos outros”. Finalmente, uma terceira palavra para a comunidade: “Na ótica de Deus, cada ser humano é um convidado! Mas responder ao convite obriga a um revestimento. ‘Revesti-vos de Cristo!’, já nos dizia São Paulo. E, nos Atos dos Apóstolos, podemos ler: ‘Jesus passou pela terra fazendo o bem!’… logo, amar não é apenas um sentimento, amar é fazer!”

Após o almoço, o sol a dar o ar de sua graça e a convidar à participação na Procissão, durante a qual ocorreu a Bênção do Mar. No terreiro do Santuário, a recriação histórica dos Círios de outrora, o som da gaita-de-foles e dos bombos a atroar os ares, as orações, cantadas e rezadas, as bancas vendendo os frutos de outono. Por fim, o tradicional Cântico das Loas e a entrega dos últimos círios.

texto por Ângela Malheiros; fotos por Rui Silva
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES