Juventude |
Três jovens
A JMJ Lisboa 2023 em testemunhos
<<
1/
>>
Imagem

Uma JMJ Lisboa 2023 para todos e com todos!

Não poderia haver melhor resumo daquela que foi a vivência da JMJ Lisboa 2023 na Vigararia de Alenquer. De facto, foi com o esforço de todos – paróquias, entidades civis, forças de segurança – que se tornou possível a vivência da jornada pelas nossas terras. 

Estaríamos a mentir se disséssemos que tudo correu como planeado e como desejávamos. E, se calhar, ainda bem! Ainda bem que não correu como os planos humanos poderiam prever ou desejar, porque nos mostra que Deus atua na história. Na nossa história. Na história de quem nos visitou. Na história de quem foi visitado. Foi, verdadeiramente, uma visita de Deus. Uma visita de tantos que, connosco, acreditam que Jesus é o caminho. Uma visita de tantos que nos ajudaram a perceber que não estamos sozinhos neste mundo. Se é verdade que a vida de Isabel mudou com a visita de Maria, acreditamos que a visita destes jovens não deixou indiferentes aqueles que os acolheram.

Que não esmoreça este desejo de sermos uma Igreja de todos e com todos!

Obrigado, Alenquer! Obrigado, Papa Francisco! Obrigado, Jesus!

Padre Fábio Alexandre 

COV de Alenquer

 

Testemunho da semana JMJ enquanto membro do COD Lisboa

Enquanto membro do COD Lisboa cheguei à semana de JMJ Lisboa 2023 com uma grande esperança e alegria, mas também com algum receio dos desafios que iam surgir. Depois de uma longa caminhada de preparação com os COPs, COVs e COL, finalmente era o momento de acolher os peregrinos de todo o mundo que se queriam encontrar com Cristo. A expectativa era muito grande, mas a graça que Deus nos deu nesta semana superou-a abundantemente.

A minha função foi apoiar as paróquias no acolhimento dos peregrinos resolvendo questões como credenciais em falta, faltas de pequenos-almoços, problemas de canalização que tornassem espaços inviáveis para dormidas, etc. Este trabalho, que feito com imensa dedicação por todos os voluntários das equipas paroquiais e vicariais, permitiu não só acolher os peregrinos da melhor forma, mas também que todos pudessem estar em conjunto na Vigília e na Missa de Envio com o Papa Francisco no Campo de Graça. Vivi esses momentos com uma grande alegria por muitas razões, mas também por saber que eram para todos.

Luís Pedro Silva

COD Lisboa

 

“Uma semana verdadeiramente de Deus, de Jesus”

Quando perguntam “como foi a Jornada Mundial da Juventude?”, muitos respondem “um momento de união, de partilha e solidariedade”, concordo, plenamente! Mas foi sobretudo uma semana extraordinariamente bonita! Uma semana verdadeiramente de Deus, de Jesus: de amor. Que bom foi ter vivido isto!

Enquanto membro do Comité Vicarial de Sintra, tive a oportunidade de observar de perto a realidade das várias paróquias e a forma como as equipas superavam os desafios diários. A monótona, por vezes inexistente, pastoral jovem que se instalara durante anos encontrava (por fim!) o seu fim: deparei-me com jovens ativos, pragmáticos, atentos e felizes, verdadeiramente felizes. Uma felicidade genuína, que só pode, com toda a certeza, ter as suas raízes em Jesus e que merece, por isso, ser nutrida, perpetuada e experienciada por TODOS.

E esta JMJ consagrou-se como uma experiência de universalidade. Partilho convosco um momento pessoal marcante. Um grande amigo e familiar, não católico e até muito crítico no que respeita à realização do evento, ligou-me a meio da semana para dizer o seguinte: “Parabéns, Inês! Estou a acompanhar na televisão e o está a acontecer é surreal! O que vocês estão a viver deve ser brutal!”. Fiquei feliz! Senti o amor de Deus naquela chamada! Que bom foi ele não ter medo de afirmar aquilo.

Terminada a JMJ fica o desafio de não ter medo de dizer SIM. De não ter medo de criar uma Igreja para TODOS! Com a presença de TODOS, pensada e contruída para TODOS. Afinal, TODOS merecemos conhecer e viver o amor de Deus. Que continue, por muitos e bons anos, a existir pressa (no ar e em qualquer lado) de levar Cristo a todos!

Inês Ramos Correia

COV Sintra

A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Jamais esquecerei a forte emoção que experimentei há alguns dias. Celebrávamos a missa exequial de...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O último estertor da dissoluta Assembleia da República atenta gravemente contra a liberdade, a religião,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Somos alertados pelo Papa Francisco na Mensagem do dia da Paz de 2024 para o facto de as máquinas inteligentes...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES