Domingo |
À procura da Palavra
Perder é encontrar
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XXII DO TEMPO COMUM Ano A

“Quem perder a sua vida por minha causa,

há-de encontrá-la.”

Mt 16, 25

O crescimento de tudo é lento e silencioso, mas há momentos que são saltos qualitativos. Uns são fruto de um grande esforço, outros semeiam novidade e grandeza que não imaginávamos ser possível. Talvez os reconheçamos melhor nas relações humanas, em sonhos que nos impulsionam, em metas que nos atraem, em perguntas que desinstalam e em respostas que nos comprometem. As grandes escolhas, os grandes projectos, os grandes sonhos, e os grandes “sim”, exigem grande sofrimento, grande perseverança, grande dádiva, e grande fidelidade.

No caminho de Jesus com os seus discípulos, após o reconhecimento de Ele ser o Messias, que Pedro diz em nome de todos, a missão ganha um horizonte maior. Não de uma glória simplesmente social e humana, nem de um sucesso milagroso, muito menos de um triunfo apoteótico. Que tantas vezes continua a seduzir certos modos de “ser Igreja”! Jesus anuncia a sua rejeição e morte, porque vai amar até ao fim: para perdoar todos, salvar todos e poder dar a ressurreição a todos. É o poder e a glória de Deus, que roda ao contrário das nossas expectativas egoístas e limitadas. Perder é encontrar, dar é receber, renunciar é possuir, e seguir é viver com e como Jesus! E reconhecemos a cruz como sinal “mais” da vida com Deus. Não o mais de possuir, acumular, inchar, ou ambicionar, mas o mais de dar, distribuir, esvaziar, saborear e agradecer com outros, com todos!

Estamos no tempo de agradecer, avaliar e projectar os passos de futuro que as JMJ Lisboa 2023 nos deixaram. Não queremos que fique apenas uma feliz lembrança, mas seja um salto de crescimento pessoal e eclesial de maior corresponsabilidade e sinodalidade. Em que tenhamos ganho o gosto de envolver muitos em tudo o que é possível fazer. De valorizar a voz, as ideias, as mãos e o coração de quantos mais, melhor! De acreditar na força renovadora dos jovens que se comprometem e se entregam com coragem e alegria. Que ninguém fique esquecido ou se sinta de fora. É preciso que este salto seja de todos, com todos e para todos! 

Acolhemos este Domingo o novo Patriarca de Lisboa, D. Rui Valério, e damos graças pela entrega e amor a Cristo e à Igreja de D. Manuel Clemente que lhe passa o testemunho. É com a doação das suas vidas, unidas às nossas, que Jesus conta para sermos “mais” sinal vivo do Amor abundante de Deus!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
O poema chama-se “Missa das 10” e foi publicado no volume Pelicano (1987). Pode dizer-se...
ver [+]

Tony Neves
Cerca de 3 mil Espiritanos, espalhados por 63 países, nos cinco continentes, anunciam o Evangelho....
ver [+]

Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES