Lisboa |
Ano Pastoral 2023-2024
Juventude e Sinodalidade marcam novo ano
<<
1/
>>
Imagem

O Cardeal-Patriarca de Lisboa acredita que o próximo ano pastoral na diocese vai ficar marcado por duas palavras: Juventude e Sinodalidade.

“No ano pastoral que começa em setembro próximo, palavras como JUVENTUDE e SINODALIDADE ganham particular relevo. A Jornada Mundial da Juventude é já um acontecimento relevante, pela mobilização que originou de milhares de jovens, incluindo grupos, movimentos e iniciativas no objetivo comum da sua boa realização. Constitui algo de marcante e criador de futuro em termos de evangelização e missão, projetando na sociedade tanto entusiasmo e solidariedade, em grande consonância evangélica com o “movimento” que Jesus Cristo iniciou há dois milénios e mantém vivo agora.”, escreveu D. Manuel Clemente, numa mensagem no Calendário e Programa Pastoral 2023-2024.

O texto convida ainda a reler a Constituição Sinodal de Lisboa. “E fazemo-lo em conjunto, sinodalmente, como a atual reflexão eclesial aprofunda e nós também acentuámos no sínodo diocesano de 2016. Faremos bem em reler a Constituição Sinodal de Lisboa, na preparação do próximo ano pastoral: Como a recebemos, como a aplicámos, o que falta fazer? Não esqueçamos que ela resume a contribuição de milhares de diocesanos entre 2015 e 2016, sendo por isso mesmo um documento autenticamente sinodal, onde perpassa o Espírito de comunhão que nos impele”, lembra o Cardeal-Patriarca, sublinhando que o próximo ano pastoral “verá também a recomposição do serviço episcopal no Patriarcado de Lisboa”. “Tudo garantido com a assistência divina que não faltará e a proteção da Mãe da Igreja e de São Vicente, nosso padroeiro”, termina D. Manuel Clemente.

Segundo a Introdução do Programa Pastoral 2023-2024, o “horizonte global” do próximo ano pastoral vai ser “celebrar o grande dom da JMJ Lisboa 2023, acolhendo os seus frutos e dinamismos evangelizadores”.

A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES