Papa |
Roma
Destacadas “as boas relações entre o Brasil e a Santa Sé”
<<
1/
>>
Imagem

O Papa recebeu o presidente Lula. Na semana em que o Vaticano publicou o ‘Instrumento de trabalho’ para o próximo Sínodo, o Papa Francisco assinalou os 400 anos de Blaise Pascal, voltou à janela após a alta hospitalar e publicou a Mensagem para o III Dia Mundial dos Avós e dos Idosos.

 

1. O presidente do Brasil, Lula da Silva, foi recebido na tarde de quarta-feira, 21 de junho, pelo Papa, no Vaticano. O encontro decorreu numa zona anexa à Sala Paulo VI, perto da Casa de Santa Marta, e durou cerca de 45 minutos. Um comunicado da Santa Sé refere que durante os encontros cordiais “manifestou-se o apreço pelas boas relações entre o Brasil e a Santa Sé, destacando-se a colaboração harmoniosa entre a Igreja e o Estado em prol da promoção dos valores morais e do bem comum”. O Vaticano acrescenta ainda que “houve uma troca positiva de pontos de vista sobre a situação sociopolítica da Região e foram abordados alguns temas de interesse comum, como a promoção da paz e da reconciliação, a luta contra a pobreza e as desigualdades, o respeito às populações indígenas e a proteção do meio ambiente”.

Na véspera, o Papa Francisco tinha recebido o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, em audiência que durou aproximadamente 40 minutos. O líder cubano, o terceiro a ser recebido no Vaticano desde a Revolução Cubana em 1959, reuniu-se ainda com o cardeal Pietro Parolin, na Secretaria de Estado, não tendo sido divulgados os assuntos em diálogo.

 

2. O Vaticano apresentou em conferência de imprensa o ‘Instrumentum laboris’, o documento que vai nortear os trabalhos do próximo Sínodo e que foi elaborado com base no material recolhido desde 2021, durante a fase de escuta realizada nas Igrejas locais de todas as dioceses do mundo e, em particular, sintetizada nos documentos finais das assembleias continentais. A sua divulgação, a 20 de junho, abre uma nova fase no caminho sinodal, composta por duas assembleias gerais, com bispos de todo o mundo que se vão reunir em Roma com o Papa: a primeira sessão é já em outubro (de 4 a 29) e a segunda será no ano seguinte, também em outubro de 2024.

O documento baseia-se nas perceções da primeira fase e no trabalho das assembleias continentais, articula “algumas das prioridades que surgiram ao ouvir o Povo de Deus, mas evita apresentá-las como afirmações ou posições”. Em vez disso, lê-se em jeito de explicação, “expressa-as como perguntas dirigidas à Assembleia sinodal”.

Os conceitos de “comunhão, missão e participação” envolvem três questões consideradas prioritárias para a Igreja sinodal: “Como podemos ser mais plenamente sinal e instrumento da união com Deus e da unidade do género humano?”, “Como partilhar dons e tarefas ao serviço do Evangelho?” e “Que processos, estruturas e instituições numa Igreja sinodal missionária?”. A partir destes conceitos, e com vista a agilizar a preparação das sessões, o ‘Instrumentum laboris’ lança um conjunto de “fichas de trabalho”, dirigidas aos participantes da Assembleia Sinodal. No total, são 15 perguntas, distribuídas pelos três conceitos-chave: “Uma comunhão que irradia”, “Corresponsáveis na missão” e “Participação, responsabilidade e autoridade”.

 

3. ‘Grandeza e miséria do homem’ (‘Sublimitas et miseria hominis’) é o título da Carta Apostólica do Papa dedicada à obra do filósofo e teólogo francês Blaise Pascal. O documento, publicado esta segunda-feira, 19 de junho, assinala o quarto centenário de nascimento do pensador que Francisco define como “um companheiro de estrada que acompanha a nossa busca pela verdadeira felicidade”. Nesta Carta, o Papa elogia a capacidade de Pascal em falar “admiravelmente da condição humana” e sublinha que “o monumento formado pelos seus Pensamentos, de que alguns ditos isolados ficaram célebres, não se pode compreender realmente se se ignora que Jesus Cristo e a Sagrada Escritura constituem simultaneamente o centro e a chave do mesmo”.

 

4. O Papa Francisco voltou à janela do apartamento pontifício, para a oração do Angelus, e agradeceu a proximidade e o afeto que recebeu nos dias em que esteve internado. “Desejo exprimir a minha gratidão a todos os que, nos dias em que estive internado no Policlínico Gemelli, me manifestaram afeto, preocupação e amizade e me asseguraram o apoio da oração”, afirmou Francisco, no passado Domingo, 18 de junho, na primeira aparição pública após ter recebido alta hospitalar, dois dias antes. “Esta proximidade humana e espiritual foi para mim de grande ajuda e conforto. Obrigado a todos, obrigado a vós. Obrigado, de todo o coração”, referiu Francisco.

No final da oração do Angelus, a propósito do Dia Mundial dos Refugiados que se assinalava na terça-feira, 20 de junho, o Papa manifestou “grande tristeza e muita dor” pelo gravíssimo naufrágio ocorrido há dias ao largo das costas da Grécia. “Renovo a minha oração pelos que perderam a vida e imploro que se faça sempre todo o possível para prevenir semelhantes tragédias”, pediu.

 

5. O Papa quer jovens e idosos unidos antes da JMJ de Lisboa. Na Mensagem para o III Dia Mundial dos Avós e dos Idosos, divulgada dia 15 de junho, Francisco sublinha “a proximidade estupenda” desta celebração que ocorre a 23 de julho, poucos dias antes do início da Jornada Mundial da Juventude de Lisboa. “São dois acontecimentos que estão profundamente relacionados”, considera o Santo Padre. O tema escolhido para os idosos é ‘A sua misericórdia se estende de geração em geração” e liga-se ao tema da JMJ que valoriza o encontro entre a jovem Maria e a sua prima idosa Isabel: ‘Maria levantou-se e partiu apressadamente’. “O Senhor espera que os jovens, ao encontrar os idosos, acolham o apelo a guardar as memórias e reconheçam, graças a eles, o dom de pertencerem a uma história maior. A amizade de uma pessoa idosa ajuda o jovem a não cingir a vida ao presente e a lembrar-se que nem tudo depende das suas capacidades. Por sua vez, aos mais velhos, a presença de um jovem abre à esperança de que não se perderá tudo aquilo que viveram e se vão realizar os seus sonhos”, escreve Francisco. “Por favor, visitem e abracem os idosos”, insiste o Papa.

Aura Miguel, jornalista da Renascença, à conversa com Diogo Paiva Brandão
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES