Domingo |
À procura da Palavra
A inteligência e a fé vencem o medo
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XII COMUM
“Não temais os que matam o corpo,
mas não podem matar a alma.”
Mt 10, 28

 

Diante da adversidade e do desconhecido é natural sentirmos medo. A busca da segurança e da protecção são inerentes à condição frágil da humanidade. Contudo, sabemos não só que “o medo é mau conselheiro”, como engole as forças que temos, se lhe damos demasiada importância. Das palavras de Jesus nos evangelhos que mais me encantam são os inúmeros apelos a “não termos medo”, onde a prevenção para resistência ao anúncio da sua Boa Nova também se insere. Desconfiemos quando a adesão ao evangelho é rápida, fácil e espectacular; podemos andar a enfraquecer a sua essência, ou a querer agradar e obter adesões imediatas, ou ainda a dar respostas em vez de suscitar a procura e o encontro pessoal com Jesus Cristo.

Numa carta sobre o IV centenário do nascimento do pensador Blaise Pacal, o Papa Francisco oferece-nos um belíssimo retrato deste “incansável investigador do verdadeiro (…) sempre “inquieto”, atraído por novo e mais amplos horizontes”. Na busca inteligente de sentido e compreensão da vida e dos mistérios da matemática, da geometria, da física e da filosofia, soube integrar admiravelmente o próprio caminho da fé cristã. Aos buscadores da verdade ele “quis recordar que, fora da perspectiva do amor, não há verdade que valha a pena: ‘Faz-se um ídolo até da própria verdade, pois a verdade fora da caridade não é Deus, é sua imagem e um ídolo que nāo se deve amar nem adorar’.” Homem do seu tempo e atento aos inúmeros desafios da evolução do pensamento, da ciência e da técnica (é-lhe atribuída a construção de um mecanismo percursor das actuais calculadoras), sempre aliou a busca da inteligência à da fé, falando de uma inteligência intuitiva: “Conhecemos a realidade não só com a razão, mas também com o coração.

A coragem para vencer o medo tem na sua origem etimológica o “cor” que vem dar “coração”. Também Jesus nos lembrou que onde “estiver o vosso coração, aí estará o vosso tesouro”. Biblicamente o coração não é simplesmente o lugar dos sentimentos e das emoções, mas também da inteligência e da vontade. Por isso pedia Salomão a Deus que lhe desse um “coração inteligente”, para guiar e defender o seu povo, para resistir às adversidades, para fazer as melhores escolhas, para fazer a vontade de Deus. Sim, a fé em Jesus que promete nunca nos abandonar, unida à inteligência que exercitamos e fazemos crescer na direcção da verdade, são as melhores armas contra o medo.

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
O poema chama-se “Missa das 10” e foi publicado no volume Pelicano (1987). Pode dizer-se...
ver [+]

Tony Neves
Cerca de 3 mil Espiritanos, espalhados por 63 países, nos cinco continentes, anunciam o Evangelho....
ver [+]

Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES