Mundo |
A aventura de uma irmã polaca num dos países mais pobres de África
Ensinar a esperança
<<
1/
>>
Imagem

Sonhava com um marido, uma casa com piscina e cheia de filhos, mas Deus trocou-lhe as voltas. A Irmã Gianna está em Kambia, na Serra Leoa, numa zona pobre de um dos mais pobres países do mundo, onde ainda persiste a memória dos horrores da guerra civil. Por ali nem há electricidade, mas Gianna é feliz. E está cheia de projectos…

 

Deus trocou as voltas à Irmã Gianna. Ela própria confessa isso à Fundação AIS. Antes de ter pensado em seguir a vida religiosa, esta jovem polaca de sorriso generoso tinha outros planos para a sua vida. “Queria ter um marido, muitos filhos, uma casa com jardim e piscina...” Tudo menos viver em África. “Nem em sonhos.” Mas Deus não lhe fez essa vontade. Hoje, Gianna é uma das três irmãs de Jesus Misericordioso na Serra Leoa. Ela está em Kambia. Por ali, além da exuberância da natureza, falta quase tudo. A começar pela electricidade. Mas o pior talvez seja a falta de esperança num tempo melhor. A Serra Leoa ainda hoje vive os fantasmas da guerra civil que se prolongou por uma década, entre 1991 e 2002. Terão morrido mais de 50 mil pessoas e mais de 500 mil tiveram de fugir das suas casas. Esta guerra foi particularmente dolorosa, foi particularmente cruel. As pessoas eram raptadas, mutiladas, violadas, as crianças eram forçadas a combater. Foi de tal forma brutal que o país ficou arrasado. E depois, mais tarde, veio ainda a epidemia do Ébola e a pandemia do Coronavírus. É difícil sonhar num país ainda com memórias vivas de tanta tragédia. Mas este é o país onde vive agora a Irmã Gianna. E logo ela, que “nem sem sonhos” se imaginava em África, tinha de vir parar a um dos países mais pobres do mundo. Que fazem estas irmãs na Serra Leoa? Procuram mostrar que Deus é amor. “Tentamos fazê-lo por todo o lado onde vamos. Estamos neste lugar há muito pouco tempo, mas tentamos, com o nosso modo de vida, mostrar o que significa ser Deus misericordioso, que Deus é amor…”

 

Ajudar os jovens, as mulheres…

Chegou em Dezembro de 2016 e já diz que ama esta terra que adoptou como a sua nova pátria. Gianna é polaca, o seu inglês não é famoso, mas ela vai-se desenrascando. “Eu amo este lugar. As pessoas que vivem aqui, por exemplo os nossos vizinhos são muçulmanos, são muito abertas connosco. O meu inglês não é perfeito e no início era difícil falar línguas diferentes, falar em inglês. Mas eles diziam: ‘Tente, irmã, tente! Queremos que fale, fale em inglês. Tente. Nós vamos tentar perceber o que quer dizer.’ Mesmo quando eu não entendia aquilo que me queriam dizer, repetiam-no muitas vezes e eu tentava entender.” A vida na Serra Leoa é difícil. Não haverá um lugar neste país onde as pessoas não tenham dificuldades, onde não precisam de ajuda. As irmãs estão ali para isso, para estenderam as suas mãos, para ajudarem a construir sonhos, para ajudarem a reconstruir vidas. E ideias para isso não faltam. “Temos planos para este lugar”, diz, sempre sorrindo, a Irmã Gianna. E com a ajuda da Fundação AIS, alguns desses sonhos foram-se tornando realidade. Foi assim com a escolinha para os mais novos. O edifício que existia foi renovado sempre a pensar nas crianças. O telhado foi reparado e construíram-se casas de banho, uma novidade por ali. “Agora, podemos ensinar as crianças a utilizá-la e melhorar o seu nível de vida. Vêm aqui todos os dias e aprendem, estudam e brincam, mas também recebem uma refeição quente, o que é raro para elas. São felizes e afortunadas”, diz a Irmã Gianna, agradecendo a todos os benfeitores que tornaram possível esta obra. Actualmente, o infantário é frequentado por cerca de uma centena de crianças. As irmãs acreditam que elas poderão vir a ser uma semente de fé para a comunidade local. E há sinais de que alguma coisa está já a mudar… “A maior parte das famílias são dos arredores. Aos Domingos, vestem os filhos com as melhores roupas para os levar a rezar connosco. Este tipo de evangelização está a funcionar. Não podemos evangelizar muito com palavras, mas acredito que, graças ao nosso exemplo, muitas destas crianças poderão aproximar-se de Cristo no futuro”, diz a irmã, sempre com um sorriso bondoso.

 

Ensinar a esperança

Um dos projectos que mais entusiasma a Irmã Gianna é o Centro da Divina Misericórdia. É um espaço aberto a todos, uma igreja sempre de braços abertos, pronta a acolher, pronta a abraçar. “É um local onde podemos organizar retiros aos fins-de-semana, porque queremos ajudar as pessoas a crescer espiritualmente na fé. Nós, as irmãs, queremos lembrar a todos que todos temos valor aos olhos de Deus, porque Jesus deu a Sua vida na Cruz por todos nós”, explica à Fundação AIS. A presença destas irmãs tem tido um impacto muito positivo na vida das pessoas, na vida da comunidade local, especialmente entre os jovens e as crianças. As irmãs chegaram, estabeleceram laços de proximidade e deixaram que o amor falasse mais alto. O amor aos outros, esse ingrediente tão especial que levou a Irmã Gianna a deixar de lado o sonho de ter um marido e uma casa grande com jardim e piscina e muitos filhos para abraçar a humanidade num dos países mais pobres do mundo. A irmã não tem filhos, mas ali, em Kambia, seguramente que haverá muitas crianças que olham para ela e sentem a ternura de uma mãe. E ela sonha em deixar rasto, em deixar marcas, em deixar obra construída com amor. Neste país, a Serra Leoa, um dos mais pobres do mundo, a Irmã Gianna está a fazer algo de extraordinário. Está a ensinar o que é a esperança…

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES