Lisboa |
Encontro das Cáritas Paroquiais do Patriarcado de Lisboa
Onde estar e o que fazer nos próximos anos?
<<
1/
>>
Imagem

As Cáritas Paroquiais do Patriarcado, cerca de 33, foram convidadas a encontrar-se na manhã do dia 27 de maio, na Casa do Oeste, em Ribamar da Lourinhã, para, em conjunto, refletirem e partilharem ideias sobre o que poderia ser o Plano Estratégico da Cáritas em Portugal, entre 2024 e 2030.

A primeira parte do encontro foi animado pela Cáritas Portuguesa e o trabalho de grupo pela Cáritas Diocesana de Lisboa (CDL). Nem todas estiveram representadas por falta de disponibilidade, mas as que participaram conseguiram, através de duas simples dinâmicas, percecionar e interpretar os sinais do tempo, e expressar o que achavam fazer sentido na atual conjuntura. Estar onde ainda não se está e oferecer, como serviço, o que ainda não se dispõe como recurso.

O grupo desejou que nos próximos três anos cada paróquia do Patriarcado conseguisse munir-se de uma Cáritas Paroquial bem estruturada, sólida e sustentável, que fossem capazes de apoiar melhor os imigrantes, de responder com maior regularidade e eficiência a pessoas com doença mental e que conseguissem um maior envolvimento dos jovens com a sua missão.

Por outro lado, os participantes desejaram também fazer parte de uma rede que efetivamente se encontra e coopera mais entre si, e que, neste sentido, a própria CDL fosse capaz de colocar as Cáritas Paroquias ou as instituições que compõem a rede Cáritas, a conversarem mais umas com as outras.

As pessoas também se aperceberam da importância da comunicação e solicitaram à CDL que esta as ajudasse a comunicar melhor, com o propósito, dando-se a conhecer, de integrarem outras redes ou parcerias locais, cooperando com os serviços públicos, empresas e outras instituições, dando assim espaço a uma divulgação transparente do que fazem, conseguindo, desta feita, o reconhecimento e valorização do seu trabalho.

O encontro terminou com o almoço. No fundo, ainda que muito rica e intensa, a manhã parece ter ficado aquém do que a maioria tinha para partilhar, seja de experiência já vivida, seja do que têm diante de si, como caminho a fazer-se ou a construir-se. Mas este não será o único encontro de 2023. Não só se farão outros presencialmente, como estes serão muito mais frequentes no futuro.

texto e fotos por Cáritas Diocesana de Lisboa
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES