Domingo |
À procura da Palavra
Coisas maiores
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO V DA PÁSCOA Ano A

Quem acredita em Mim fará também as obras que Eu faço
e fará obras ainda maiores, porque Eu vou para o Pai.”
Jo 14, 12

 

Jesus Cristo não deixou manuais de pastoral nem compêndios de teologia. Não demitiu a humanidade da capacidade de pensar, de escolher. Confiou na grandeza de coração dos Apóstolos e na criatividade do Espírito Santo. E não foram fáceis os caminhos, nem o são ainda hoje. É preciso constantemente rever as opções tomadas, aprender com os erros, e não considerar como acabada uma obra que está em permanente construção.

Foi à medida que os problemas se foram colocando que se procurou dar respostas para eles. Das heresias à necessidade de diálogo com o mundo encontramos no passado e no presente misérias e grandezas desta procura em ser fiel à Boa Nova. A “invenção” dos diáconos foi um gesto espantoso de descoberta: aquilo que pode ser feito por muitos não deve ser feito por poucos! Se o valor da participação é fundamental na experiência cristã, então é preciso entendermos que todos somos agentes de evangelização pela dimensão baptismal. Porque o Espírito Santo não se manifesta apenas em alguns; Ele é Dom para todos!

Noutros momentos aconteceu a ousadia e coragem de abrir caminhos onde muitos erguiam muros e destruíam pontes. De mentalidades e costumes, de rotinas e comodismo. O Evangelho é factor de libertação e de compromisso comum pela humanidade. Ultrapassando preconceitos e sectarismos, unindo forças e criando laços. Em muitos momentos sinto a falta desta coragem em mim e em muitos com quem caminho. Gastamos demasiado tempo “à defesa”, mais na repetição ou no saudosismo, do que na alegria de inventar e de recriar. Não é corte com o passado, mas é atracção pelo futuro. Olhos levantados, e não cabisbaixos. O Senhor que nos chama vai à frente, e parece que nos habituámos a travar mesmo nas subidas, ou temos a alavanca das mudanças sempre em “segunda”!

É certo que ninguém é dono da verdade. Ela vai-se vislumbrando pelo acolhimento, pelo diálogo (que supõe pontos de vista diferentes), pela partilha sincera, pela confiança mútua, pela coragem de avançar com propostas que conduzam a uma maior autenticidade de tudo o que vivemos. Não sei se são estas as “coisas maiores” que Jesus dizia podermos fazer. Sei que tudo será maior e mais belo se amarmos e procuramos, deixando de estar agarrados a “coisas mortas”, a situações que condenam definitivamente as pessoas. Se o Espírito liberta, quem somos nós para aprisionar?

Ainda bem que o Senhor não nos deixou outra “cartilha” senão o Evangelho. É nele que temos sempre de aprender que as coisas maiores que Jesus fez, aconteceram a partir do coração das pessoas. Vinham de dentro. Porque Ele as libertava e as comprometia com um projecto maior. Não é isso que procuramos?

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
O poema chama-se “Missa das 10” e foi publicado no volume Pelicano (1987). Pode dizer-se...
ver [+]

Tony Neves
Cerca de 3 mil Espiritanos, espalhados por 63 países, nos cinco continentes, anunciam o Evangelho....
ver [+]

Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES