Lisboa |
No dia 7 de maio
Procissão de Nossa Senhora da Saúde regressa às ruas da Baixa lisboeta
<<
1/
>>
Imagem

Após três anos, a Real Irmandade de Nossa Senhora da Saúde e São Sebastião vai voltar a organizar a secular procissão de Nossa Senhora da Saúde.

Depois de não se ter realizado em 2020, 2021 e 2022, a procissão que remonta ao século XVI regressa, este ano, ao coração da cidade de Lisboa no dia 7 de maio, Domingo, e vai ser presidida por D. Rui Valério, Bispo das Forças Armadas e das Forças de Segurança. Também conhecida como ‘Procissão dos Artilheiros’, a procissão em honra de Nossa Senhora da Saúde vai ter início às 16h00, no largo em frente à Capela de Nossa Senhora da Saúde, terminando, após um percurso com cerca de dois mil metros, no mesmo local com a bênção à cidade com o Santo Lenho. De manhã, às 11h00, o Bispo do Ordinariato Castrense preside à Eucaristia em louvor a Nossa Senhora da Saúde, na Igreja de São Domingos (ao Rossio).

A cerimónia de investidura da Imagem de Nossa Senhora, seguida de Eucaristia em louvor a Santa Ana, vai ter lugar na Capela de Nossa Senhora da Saúde, no dia 3 de maio, quarta-feira, às 16h30. No dia seguinte, às 10h00, haverá Eucaristia com Sacramento da Santa Unção aos doentes e idosos, e na noite de dia 6 de maio, sábado, às 20h30, a procissão das velas, presidida pelo capelão da irmandade, padre Vítor Gonçalves, com início no largo em frente à Capela de Nossa Senhora da Saúde e final na Igreja de São Domingos.

A procissão saiu à rua, pela primeira vez, a 20 de abril de 1570. “É uma das procissões mais genuínas e antigas da cidade e traduz uma grande manifestação de fé. Constitui um momento único na vida religiosa da capital, com as janelas e varandas engalanadas de colchas”, lembra a organização.

A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES