JMJ Lisboa 2023 |
Os 100 dias para a Jornada Mundial da Juventude
«Todos temos uma missão nesta JMJ»
<<
1/
>>
Imagem

No dia em que se assinalaram os 100 dias para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, 23 de abril, o Jardim Municipal da Figueira da Foz acolheu uma missa campal, celebrada por D. Américo Aguiar, Bispo Auxiliar de Lisboa e presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, que contou com a presença do Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes.

A celebração iniciou com a entrada dos Símbolos da Jornada Mundial da Juventude, que se encontram a peregrinar pela Diocese de Coimbra até ao fim deste mês (ver páginas centrais), ao som do Coro do COD de Coimbra, a quem coube a animação da Missa.

D. Virgílio Antunes iniciou a celebração dizendo que “para todos nós aqui da Diocese de Coimbra, é uma grande alegria esta coincidência de termos os Símbolos em peregrinação pelo nosso território e, portanto, podermos acolher aqui esta celebração festiva”. O Bispo de Coimbra deixou ainda o desejo de que a JMJ Lisboa 2023 seja um “evento transformador da realidade de cada pessoa, da Igreja, da sociedade, particularmente contando com os jovens”.

Rezou-se pela Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023, pelos voluntários e comunidades que se estão a preparar para acolher os peregrinos. Na homilia, o Bispo Auxiliar de Lisboa e presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, D. Américo Aguiar, lembrou que é preciso “ativar o coração” e que “todos temos uma tarefa, todos temos uma missão a cumprir nesta Jornada Mundial da Juventude”.

D. Américo Aguiar reforçou que “a Jornada Mundial da Juventude é o maior acontecimento que alguma vez aconteceu em Portugal”, e que “pode fazer a diferença”. “O nosso querido Papa Francisco pede que a Jornada de Lisboa seja, como ele diz, 'um separador de águas', um antes e um depois”, afirmou.

Nesta contagem decrescente para a JMJ Lisboa 2023, D. Américo Aguiar pediu a ajuda de todos os portugueses para receberem, no próximo mês de agosto, as “centenas de milhares de jovens do mundo inteiro que se preparam para vir”. “Eles sabem que somos acolhedores, sabem da nossa fama, sabem da nossa gastronomia, sabem da nossa cultura e estão desejosos por vir ao nosso encontro”, referiu.

Fotos: Henrique Matos / Agência Ecclesia
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Foi muito bem acolhida, pela generalidade da chamada “opinião pública”, a notícia de que...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES