Lisboa |
Equipa CDL do Recuperar+ Famílias fala da sua experiência
Auxiliar o maior número de famílias
<<
1/
>>
Imagem

O programa Recuperar+ Famílias foi criado pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) no seguimento dos danos causados pelas condições meteorológicas adversas e extremas que assolaram a cidade de Lisboa.

Este projeto consiste num apoio financeiro, estabelecido pela CML, a atribuir a cada família com o objetivo de auxiliar na reparação das habitações e na aquisição de bens perdidos. A Cáritas Diocesana de Lisboa (CDL) encontra-se a operacionalizar o projeto nas freguesias: Belém, Ajuda, Alcântara, Campolide, Campo Ourique, Estrela, Santa Maria Maior, Misericórdia, Santo António, São Domingos de Benfica, Benfica e Carnide.

Após a receção do processo na CDL, é agendada uma visita domiciliária à habitação para que se possa comprovar que houve danos resultantes das cheias e entender quais os prejuízos e bens afetados. Ao longo deste projeto temos verificado inúmeras situações diversas resultantes das cheias, quer em habitações, como terraços, garagens, sótãos, arrecadações e caves.

Algumas pessoas, lamentavelmente, viram os seus lares ficarem destruídos com a força da água, perdendo todos os móveis e bens de grande importância, quer monetária como sentimental. Nestes casos, em que os imóveis ficaram muito danificados as pessoas demonstraram grande emoção ao falar no assunto e ao relembrar a ocorrência, relataram-nos que o sentimento de impotência ao ver a sua casa a ficar inundada e não conseguirem salvar determinados bens importantes e básicos, como roupas, eletrodomésticos e móveis, foi muito forte emocionalmente. Ainda que, a casa não tenha sido muito afetada, o evento em si foi muito traumático para determinadas pessoas.

Em alguns casos, a visita revelou-se um desafio ao depararmo-nos com habitações sem as condições mínimas de dignidade humana, famílias em extrema vulnerabilidade social. Nestas situações, a habitação antes do evento meteorológico já se encontrava muito precária e débil, o que fez com que após as chuvas muitos tetos ruíssem e colocassem em causa a vida e segurança das pessoas. Além disso, a água acumulou nas paredes o que, ao longo do tempo, criou humidade e vários focos de bolor, esta situação coloca, igualmente, em risco a saúde das pessoas; algumas inclusive estavam a desenvolver questões problemáticas de respiração.

 

Na nossa visão, e de um modo geral, as pessoas ficam surpreendidas pela criação deste apoio e satisfeitas por este auxílio para que possam adquirir novos móveis ou eletrodomésticos. Consideramos que a criação deste projeto foi de extrema importância para colmatar prejuízos causados. Para nós, fazer parte do projeto Recuperar+ tem sido uma satisfação pessoal e profissional, na medida em que queremos auxiliar o maior número de famílias e sermos útil para quem mais precisa em situações de emergência.

Ao dia de hoje, 17 de abril, os processos rececionados são 156, os não elegíveis são 35 e os que já foram concluídos, com um apoio em dinheiro, que já totaliza 91 664,25 euros, são 70.

texto e fotografias por Recuperar+ Famílias CDL
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Foi muito bem acolhida, pela generalidade da chamada “opinião pública”, a notícia de que...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES