Por uma Igreja sinodal |
Conclui-se também a fase de consulta, mas não o diálogo com o Povo de Deus
Concluída a Etapa Continental
<<
1/
>>
Imagem

Na sexta-feira, 31 de março de 2023, a Etapa Continental terminou oficialmente: a segunda fase do processo sinodal e com ela também a fase de consulta em grande escala o Povo de Deus. Depois da Etapa Local (diocesana e nacional), a inclusão de um tempo de escuta, diálogo e discernimento entre as Igrejas da mesma área geográfica representou uma novidade adicional neste processo sinodal.

Esta nova etapa não se limitou à celebração de sete assembleias continentais, mas foi um verdadeiro processo de escuta e discernimento a nível continental, sobre a mesma e única questão do processo sinodal como um todo, ou seja Como se realiza hoje, nos diferentes níveis (do local ao universal) aquele “caminhar juntos” que permite à Igreja anunciar o Evangelho, em conformidade com a missão que lhe foi confiada; e que passos o Espírito nos convida a dar para crescer como Igreja sinodal? (DP n. 2).

Seguindo o princípio da subsidiariedade, a organização desta parte do processo e as respetivas assembleias sinodais continentais foram confiadas aos Comités Organizadores (ou Task Forces) locais, que fazem maioritariamente parte dos Reuniões Internacionais das Conferências Episcopais ou das Igrejas Católicas Orientais. No entanto, uma task force especial da Secretaria Geral do Sínodo acompanhou os trabalhos. Os responsáveis da Secretaria Geral do Sínodo e o Relator Geral da XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos asseguraram a presença de pelo menos um deles em cada assembleia continental, como testemunho da proximidade e do desejo da Santa Sé de escutar as Igrejas particulares.

As sete assembleias que, desde o início de fevereiro até ao fim de março, marcaram este tempo do caminho sinodal, foram todas assembleias eclesiais, ou seja, representativas do Povo de Deus (bispos, sacerdotes, consagrados e consagradas, leigos). O seu objetivo era responder às três questões contidas no DTC (n. 106) publicado a 27 de outubro (para aprofundar). Os participantes tentaram primeiro identificar as 'ressonâncias' suscitadas pela leitura do DTC e depois indicar tensões e prioridades. Foi reconfortante notar como os participantes nas assembleias continentais se encontraram nos caminhos identificados no DTC, cada um claramente a partir da sua própria perspetiva eclesial e cultural, por vezes muito diferente. O fruto das discussões está contido no Documento Final que cada Assembleia produziu como um contributo para os trabalhos da primeira sessão da assembleia de Outubro do Sínodo dos Bispos (4-29 de outubro de 2023).

Estes documentos são o fruto de uma autêntica viagem sinodal, respeitosa do processo até agora, refletindo assim a voz do Povo de Deus no Continente. Estes 7 documentos continentais constituirão a base do Instrumentum Laboris, o documento de trabalho para a primeira sessão da XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos. Cabe agora à Comissão Preparatória, criada pela Secretaria Geral do Sínodo, (para aprofundar), organizar o grupo de trabalho convocado para a sua produção.

Todas as assembleias foram um tempo de Graça para a Igreja. Para além de sublinhar o grande desejo de renovação, caminhando juntos unidos a Cristo, o processo continental revelou a alegria e o profundo amor de tantos fiéis pela sua Igreja, o Povo de Deus, apesar das suas limitações e fraquezas; a importância da escuta como instrumento e dinâmica permanente da vida eclesial; e confirmou a escolha da conversão espiritual como método que promove a verdadeira escuta e o discernimento comunitário para alcançar o consenso eclesial.

O Secretaria Geral do Sínodo expressa a sua sincera gratidão a todos aqueles que se empenharam neste processo com grande seriedade e entusiasmo. A Etapa Continental levou a uma maior consciência da importância de caminhar juntos na Igreja como uma comunhão de comunidades, fortalecendo o diálogo entre as Igrejas particulares e a Igreja Universal.

A conclusão desta fase de consulta não significa o fim do processo sinodal para o Povo de Deus que começou, nem significa a interrupção do diálogo entre a Igreja Universal e a Igreja particular. Pelo contrário, significa deixar às comunidades locais o desafio de pôr em prática essas “reformas sinodais” no quotidiano da sua ação eclesial e no conhecimento de que muito do que foi discutido e identificado até agora a nível local não requer o discernimento da Igreja universal ou a intervenção do magistério de Pedro.

 

Os Documentos Finais publicados até agora estão disponíveis em www.synod.va.

 

texto pelo Gabinete de Imprensa da Secretaria Geral do Sínodo
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES