Mundo |
Nigéria: Igreja está presente entre os mais pobres na Diocese de Abuja
O tesouro do Padre Thaddeus
<<
1/
>>
Imagem
Video

O lugar é muito pobre. A capela é feita de chapas de zinco, as casas são quase miseráveis. Não há electricidade, nem água. Não há nada além das pessoas que por lá vivem e dos animais. O Padre Thaddeus Anasigwe foi enviado para esta aldeia quase sem nome no meio da Nigéria. A sua missão é servir. Servir estas pessoas, viver com elas, viver para elas. Apesar da pobreza imensa, o Padre Thaddeus sorri.

 


O Arcebispo de Abuja decidiu que a Igreja deveria estar presente mesmo nos lugares mais insignificantes, mesmo nas aldeias mais distantes e pobres que quase não se encontram no mapa. São lugares sem importância, mas onde vivem as pessoas que agora são os paroquianos do Padre Thaddeus Ekene Anasigwe. São todos pobres, mas o sacerdote fala deles com um sincero deslumbramento. Ele consegue ver mais do que nós, consegue ver para além dos olhos. O que ele vê está ao nível do coração, da alma. “As condições de vida aqui são muito, muito pobres”, explica a uma equipa da Fundação AIS que esteve na Nigéria a acompanhar o trabalho da Igreja. “As pessoas nem sequer têm água, luz ou cuidados de saúde. Há problemas de segurança”, diz ainda, como se precisasse de explicar a vida miserável que se esconde em tantas aldeias como aquela na Diocese de Abuja, na Nigéria, onde nos recebe. Mas é ali, por causa daquele povo que vive naquelas casas, que os seus olhos se iluminam sorrindo. “Todos os dias estas pessoas fazem um esforço para ver Cristo umas nas outras…”

 

O contágio da simplicidade

É poderoso perceber isto. Foi por ter conseguido olhar até ao fundo do coração daqueles que agora são os seus paroquianos, que o Padre Thaddeus nos mostra o seu sorriso feliz. O sorriso de quem encontrou um tesouro entre gente humilde que vive em casas miseráveis, quase sem nada. O tesouro está nelas. Vive nelas. E o Padre Thaddeus aprendeu a deixar-se contagiar. A câmara de filmar da Fundação AIS seguiu o padre como uma sombra. Viu-o a celebrar a Missa, viu-o a dar aulas de catequese a crianças irrequietas, viu-o, divertido, a ensinar uma menina a fazer o sinal da cruz, viu-o a dar a comunhão a pessoas que já terão esquecido a própria idade, viu-o a falar com os aldeões, a brincar com eles e a receber alguns alimentos que tinham guardado, na sua pobreza, para o seu sacerdote. “Eu vivo com aquilo que as pessoas me puderem dar. Sobrevivo com isso.” A doação é total, o contágio é absoluto. “Onde quer que esteja o povo de Deus, os sacerdotes devem estar aí. Onde quer que haja fé, essa fé tem de ser apoiada. É por isso que temos esperança e rezamos para que homens e mulheres de boa vontade de todo o mundo venham em nosso auxílio e nos ajudem.”

 

Arriscar tudo

A Igreja na Nigéria está numa encruzilhada. A violência cresce quase de dia para dia. Os ataques às comunidades cristãs são cada vez mais frequentes, assim como os raptos de sacerdotes. Há uma ameaça no ar e em algumas regiões é preciso mesmo coragem para os fiéis irem à Missa aos domingos. Há um sentimento quase generalizado de abandono, de que as autoridades não fazem o suficiente para proteger os Cristãos, que parecem ser cidadãos de segunda, como se tivessem menos direitos. Ao longo dos 12 meses de 2022, houve o assassinato de sete sacerdotes. Quatro, no desempenho das suas missões, e mais três que acabariam assassinados após terem sido vítimas também de rapto. Em Dezembro, no espaço de apenas 72 horas, dois sacerdotes foram raptados em duas dioceses. Já este ano, um padre morreu, queimado, quando assaltantes armados atacaram a sua casa paroquial em Kafin-Koro, na Diocese de Minna. O medo alastra, mas também por isso é extraordinário haver o exemplo de padres que arriscam tudo na defesa dos mais fracos, dos mais pobres, dos que estão longe em aldeias que mal se avistam nos mapas. Da Nigéria chegam-nos exemplos inspiradores de sacerdotes que assumem a sua missão até às últimas consequências, dando a vida se necessário for, doando-se por inteiro aos esquecidos pela sociedade, em aldeias onde falta tudo, onde não há electricidade, nem água, nem posto médico, nem nada. Às vezes até sem comida no prato. Mas eles lá estão, com o seu povo, contagiando e contagiando-se de uma fé que nasce do coração. O Padre Thaddeus pede para não nos esquecermos da Igreja que sofre na Nigéria. Uma Igreja onde há muitas aldeias muito pobres que escondem um verdadeiro tesouro. O tesouro da fé.

 

___________


Nesta Quaresma, lembre-se dos Cristãos perseguidos na Nigéria. São vítimas de grupos armados, de terroristas islâmicos, e precisam da nossa ajuda, das nossas orações. E lembre-se dos seus sacerdotes. Eles precisam da nossa ajuda.

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES