JMJ Lisboa 2023 |
Símbolos da JMJ
De Aveiro a Coimbra com entusiasmo
<<
1/
>>
Imagem

A Cruz Peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani chegaram a Coimbra, de comboio, num clima de grande entusiasmo. Os Símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) continuam em Peregrinação por todo o país, numa caminhada que se iniciou em novembro de 2021.

Em Aveiro, os Símbolos da JMJ percorreram as últimas Paróquias da Diocese, tendo passado ainda pela praia e realizado um pequeno percurso de barco, na Gafanha da Nazaré. O dia 1 de abril ficou marcado pela “Festa da Juventude” em Aveiro, com a atuação da “Banda da Paróquia”, que assinalou o simbólico adeus aos Símbolos que percorreram toda a Diocese.

Para D. António Moiteiro, Bispo de Aveiro, a Peregrinação dos Símbolos “foi uma graça para a nossa diocese de Aveiro e uma bênção para todos os que deles se aproximaram”, referiu em nota publicada pela Diocese. “A peregrinação dos Símbolos foi o início de um belo percurso que queremos continuar. Os dias das dioceses, de 26 a 31 de julho, a semana anterior ao encontro do Papa Francisco com os jovens, em Lisboa, são uma ocasião para acolhermos entre nós jovens que querem fazer uma experiência de Igreja, vivendo connosco alguns dias”, enalteceu o prelado. 

A Diocese de Coimbra acolheu, no passado dia 2 de abril, os Símbolos da JMJ com muita alegria por parte de toda a comunidade. Recebidos e conduzidos por motards e bombeiros, os Símbolos foram ao encontro da comunidade que os esperava com música, entusiasmo e muita animação.

A partir de domingo e durante todo o mês de abril, Coimbra acolheu e irá acompanhar os Símbolos da JMJ numa Peregrinação que pretende levar a cada canto do país um pouco da Jornada Mundial da Juventude, convidando os jovens e toda a comunidade a fazer parte deste grande encontro com o Papa.

Atendendo ao momento único que representa a presença da Cruz Peregrina e do ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani na cidade de Coimbra, a imagem da Rainha Santa Isabel saiu à rua, no domingo.  Este foi um acontecimento sem paralelo na história da cidade de Coimbra, mostrando a importância deste momento para os conimbricenses, já que saiu à rua sem ser por ocasião das Festas da Cidade de Coimbra.

O exemplo da Rainha Santa Isabel foi destacado pelo Presidente da Mesa Administrativa da Confraria da Rainha Santa Isabel, Joaquim Leandro Monteiro Costa e Nora, desejando que a “promoção da paz entre todos e o seu amor aos mais necessitados possam incentivar os jovens a descobrir em si as sementes do bem, presentes na sua vida”.

Embebido do espírito da JMJ, Joaquim Costa e Nora afirmou que, “dentro do seu espírito de missão, é com a maior alegria e gratidão que a Confraria da Rainha Santa Isabel aceita participar na receção aos Símbolos da Jornada Mundial da Juventude pela Diocese de Coimbra, no Santuário de Santa Isabel de Portugal, na cidade que a elegeu como padroeira”. O confrade espera ainda que a padroeira de Coimbra possa ser uma inspiração para os jovens, tornando-os “pessoas cujo olhar seja o olhar de Deus”, na construção de um mundo melhor.

Além deste momento, e tendo Coimbra uma forte tradição académica, foram vários os estudantes que puderam carregar os Símbolos da JMJ. Houve ainda um momento em que foi possível assistir a uma atuação da Quantunna, a Tuna da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

Até ao dia 30 de abril, a Peregrinação dos Símbolos percorrerá as várias Paróquias de Coimbra, antes de serem entregues à Diocese de Leiria-Fátima, na cidade de Pombal.

FOTOS: COD Aveiro e COD Coimbra
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Se há exemplo de ativismo cívico e religioso e para o impulso permanente em prol da solidariedade, da...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Há temáticas sobre que tem falado o Papa Francisco de forma recorrente e que são da maior relevância, mas nem sempre têm o eco que seria devido.
ver [+]

Tony Neves
O Dia Mundial da Criança comemora-se a 1 de junho, em diversos países, incluindo Portugal, Angola, Moçambique…...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES