Lisboa |
Domingo de Ramos da Paixão do Senhor na Sé de Lisboa
“Não fujamos da Cruz, único lugar onde cabemos todos”
<<
1/
>>
Imagem

O Cardeal-Patriarca de Lisboa presidiu à celebração de Domingo de Ramos, na Sé, deixando um convite a “testemunhar e oferecer a Cruz”, como caminho de “evangelização”.

No início da Semana Santa, D. Manuel Clemente sublinhou a importância de ultrapassar a “tentação” de reter Jesus para cada um. “Ronda-nos a tentação de O retermos para nós, para as nossas intenções próprias ou mais próximas. Ultrapassemo-la, proclamando a filiação divina de Jesus, que sendo de Deus é de Deus para todos”, apontou, destacando a “dupla dimensão” da “evangelização que nos cumpre”: “na profundidade e na largueza dum Reino que tem o trono na Cruz”. “Não nos fiquemos pelo discurso chão que torneia as dificuldades da vida, própria e alheia, e mais adormece do que acorda para o que ela é realmente, no seu drama pessoal ou coletivo. O que é essencial e próprio de Cristo é que nele mesmo Deus nos salva, bem por dentro das vicissitudes humanas – pessoais ou alheias, sociais ou eclesiais que sejam – que passam a ser suas também”, garantiu.

Na Sé Patriarcal, na manhã de Domingo de Ramos, dia 2 de abril, o Cardeal-Patriarca de Lisboa sublinhou que “testemunhar e oferecer a Cruz é a substância única da evangelização a fazer”. “Desta profundidade inaudita não desistamos nunca, porque a caridade tem esse tamanho e expressão. Disto mesmo convictos, não fujamos da Cruz, único lugar onde cabemos todos, na comunhão com Cristo, que só nela nos salva. Testemunhar e oferecer a Cruz é a substância única da evangelização a fazer, aproximando mutuamente a oferta da caridade de Cristo e as necessidades imediatas ou mais profundas de quem encontrarmos ou procurarmos. O mundo é vasto e complexo, mas a Cruz abarca-o inteiramente, com a caridade de Quem nela se ofereceu, por nós e para nós. Só deste modo podemos compreender o entusiasmo que tem envolvido a Cruz que, de diocese em diocese, vai preparando a próxima Jornada Mundial da Juventude. É uma simples Cruz, mas atrai multidões, com atitudes múltiplas de devoção sincera. Dela se desprende a salvação do mundo – como Cristo a oferece de modo inteiramente seu, para ser inteiramente nosso”, terminou D. Manuel Clemente.

foto por Teresa Carreira
A OPINIÃO DE
Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Segundo a Conferência Episcopal Portuguesa, ninguém pode ser obrigado a comungar na mão, nem proibido de comungar na boca.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Se há exemplo de ativismo cívico e religioso e para o impulso permanente em prol da solidariedade, da...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES