Mundo |
Jacques Mourad, o novo Arcebispo de Homs, recorda o tempo de cativeiro
“O Terço foi a minha arma”
<<
1/
>>
Imagem

Esteve em cativeiro dos jihadistas do Estado Islâmico em 2015 durante cerca de cinco meses, período em que foi ameaçado de morte, tendo chegado até a ser colocado perante um pelotão de fuzilamento. Sobreviveu a tudo, confiando em Nossa Senhora e na oração do Terço, que diz ter sido a sua arma espiritual. Conseguiu fugir e agora, oito anos depois, foi consagrado como Arcebispo de Homs. Para os Cristãos da Síria, não podia haver melhor notícia…


Ordenado na sexta-feira, 3 de Março, como Arcebispo sírio-católico de Homs, na Síria, D. Jacques Mourad é um verdadeiro símbolo da resistência da comunidade cristã que tem sido forçada a enfrentar, ao longo desta última década, a violência da guerra e do terrorismo, e agora também da pobreza. Nascido há 54 anos em Alepo, a história do novo prelado está indelevelmente ligada aos cinco meses em que esteve em cativeiro às mãos de um dos muitos grupos terroristas que alimentaram com ferocidade a guerra na Síria. Um cativeiro que o próprio recordou em diversas iniciativas da Fundação AIS, como a Noite dos Testemunhos, promovida pelo secretariado francês da Ajuda à Igreja que Sofre em 2017. Há, na história do novo arcebispo, uma data que nunca mais esquecerá: 21 de Maio de 2015. Foi nesse dia que homens armados invadiram o convento de Mar Elian, de que era responsável, e o arrastaram dali, como refém, juntamente com um jovem postulante.

 

A oração do Terço

Depois de quatro dias fechado e vendado dentro de um carro, levaram-nos para Raqqa. Foi assim que começou o tempo de rapto, quase cinco meses, em que Jacques Mourad chegou a ser ameaçado de morte e a testemunhar o rapto também de 250 pessoas da sua paróquia. Foram cinco meses de cativeiro que reforçaram poderosamente a sua fé. No encontro promovido pelo secretariado francês da Fundação AIS, Mourad recordou essa viagem e a proximidade que sentiu no seu íntimo com Nossa Senhora. “Na estrada para Raqqa, em direcção ao desconhecido, uma frase ressoava dentro de mim e que me ajudou a aceitar o que se passava e a entregar-me ao Senhor: ‘Estou a caminho da liberdade…’. A presença da Virgem, Nossa Mãe, e a oração do terço foram a minha arma espiritual.” Revisitar hoje esse testemunho ajuda a compreender os tempos excepcionalmente duros que os Cristãos tiveram de enfrentar no auge da guerra na Síria.

 

Os outros reféns

Naquele tempo, com o país transformado num campo de batalha, ninguém estava seguro em lado algum. Levado para Raqqa, Jacques Mourad acabou por ficar retiro numa casa durante 84 dias. Um tempo que também não esquecerá jamais. “Quase todos os dias entravam na minha cela e faziam perguntas sobre a minha fé. Vivi cada dia como se fosse o último. Mas não cedi. Deus concedeu-me duas coisas: o silêncio e a amabilidade. Fui assediado, ameaçado de decapitação em várias ocasiões, submetido a um simulacro de execução para renegar a minha fé.” A 4 de Agosto de 2015, o grupo jihadista ‘Estado Islâmico’ conquistou  Al-Qaryatain e, no dia seguinte, de madrugada, fez cerca de 250 reféns Cristãos que foram levados para uma região perto de Palmira. Uns dias mais tarde, o Pe. Mourad foi levado ao encontro desse grupo de reféns.

 

A arriscada fuga

É por essa altura que começa a planear a própria fuga, o que veio a acontecer a 10 de Outubro. Numa cena quase digna de um filme de acção, Jacques Mourad fugiu dos jihadistas saltando para cima de uma mota conduzida por um amigo muçulmano. Quando recorda esse episódio vê também aí a presença de Deus e de Nossa Senhora. “Com a ajuda de um jovem muçulmano, consegui sair de Al-Qaryatain apesar dos riscos que isso implicava. E, novamente, a mão misericordiosa de Deus e de Nossa Senhora protegeram-me e acompanharam-me. E, nesse caminho de deserto, a palavra ‘liberdade’ voltou a surgir.”

 

Amigo da Fundação AIS

A ligação do novo Arcebispo de Homs dos Sírios à Fundação AIS é antiga, remonta aos tempos do início da crise no país, em 2011. A sua nomeação agora para Arcebispo de Homs enche todos de esperança, como lembra Regina Lynch, directora de projectos da AIS. “Durante a sua provação, o Pe. Jacques continuou a dar um forte exemplo de valores cristãos, apoiando os seus fiéis e dando testemunho àqueles que os perseguiam. Agora, como bispo, encontra-se numa posição única para continuar a encorajar os Cristãos a permanecerem nas suas terras e a serem fiéis às suas crenças, mas também a empenharem-se no diálogo com os Muçulmanos e a trabalharem para uma coexistência pacífica.” E como é importante acreditar numa Síria reconciliada onde todos tenham lugar, onde todos possam viver em paz. Para os Cristãos da Síria não podia haver melhor notícia do que esta, a da ordenação de D. Jacques Mourad como Arcebispo de Homs.

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
O poema chama-se “Missa das 10” e foi publicado no volume Pelicano (1987). Pode dizer-se...
ver [+]

Tony Neves
Cerca de 3 mil Espiritanos, espalhados por 63 países, nos cinco continentes, anunciam o Evangelho....
ver [+]

Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES