Lisboa |
Cáritas: um ano de conflito na Ucrânia
“Nunca percam a esperança”
<<
1/
>>
Imagem

A Cáritas Portuguesa assinalou, a 24 de fevereiro, o primeiro ano do início da guerra na Ucrânia. Instituição destaca trabalho realizado no apoio humanitário a mais de 5,3 milhões de pessoas.

“Em todo o mundo, houve gestos de solidariedade para com as vítimas permitindo um apoio humanitário que se prolonga tanto quanto o conflito. A Confederação Cáritas, na qual a Cáritas Portuguesa se inclui, continua a responder ao seu compromisso de promover uma abordagem baseada nos direitos humanos para garantir que todas as pessoas afetadas por conflitos armados e violência se sintam seguras, protegidas, acolhidas e respeitadas”, referiu a Cáritas Portuguesa, em comunicado. Segundo a nota, “durante este ano, a Cáritas na Ucrânia, com o envolvimento de toda a rede e dos países vizinhos – Polónia, Roménia, Moldávia, República Checa, Eslováquia, Bulgária e Hungria – trabalharam de forma incansável no apoio humanitário a mais de 5,3 milhões de pessoas”. “Estamos a trabalhar para que estas pessoas, que sofrem como resultado desta guerra, possam ter uma perspetiva de recuperação do seu país e, acima de tudo, nunca percam a esperança. Acreditamos que todas as pessoas têm direito a um lugar onde não estão sozinhas ou excluídas, mas pertencem a uma comunidade”, acrescenta o texto, revelando que a Cáritas Portuguesa, “até ao momento”, respondeu “com um total de 400 mil euros” para apoio.


Informações: www.caritas.pt/ucrania

foto por Cáritas
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Foi muito bem acolhida, pela generalidade da chamada “opinião pública”, a notícia de que...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES