JMJ Lisboa 2023 |
Mobilização
Dioceses preparadas para receber jovens de todo o mundo
<<
1/
>>
Imagem

As Dioceses portuguesas, que serão casa para muitos peregrinos, têm feito o seu caminho de preparação para a JMJ Lisboa 2023, consoante a própria dinâmica de cada uma. Todas estão a mobilizar-se de forma a proporcionar aos seus jovens, e aos jovens que chegarão, uma experiência única e inesquecível.

Quanto à preparação dos Dias nas Dioceses, há já muito tempo que a Arquidiocese de Braga se prepara. Em novembro de 2022, por exemplo, esteve em Braga uma comissão sul-coreana para reunir com o COD de Braga. Além disso, “o COD de Braga criou uma equipa responsável pelo voluntariado, tanto para a JMJ23 como para os DND”, revelaram.

Em Évora, a arquidiocese propôs-se receber cerca de 5 mil jovens. Neste sentido, tudo tem sido feito “para que tudo esteja pronto ao nível das estruturas, dos grupos de voluntários, do programa, da alimentação e da animação da fé”.

Na Diocese de Viana do Castelo, são esperados cerca de 600 jovens de 3 Dioceses francesas (Metz, Nancy e Verdun) e da Arquidiocese de Lodz, da Polónia, além dos cerca de 90 jovens das Dioceses de East Anglia e de Plymouth, do Reino Unido.

Para os Dias nas Dioceses, estão abertas, na diocese de Lamego, as inscrições para o Coro Diocesano, uma iniciativa criada para receber os peregrinos de várias partes do mundo e para a animação da Missa de envio na própria Diocese.

Com preocupações e dinâmicas diferentes, as Dioceses têm vindo a preparar o acolhimento aos peregrinos para os Dias nas Dioceses e para a semana da JMJ Lisboa 2023. Além disso, têm, também, como objetivo o de mobilizar os jovens portugueses a participar neste que será o maior encontro de jovens com o Papa.

A OPINIÃO DE
Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Segundo a Conferência Episcopal Portuguesa, ninguém pode ser obrigado a comungar na mão, nem proibido de comungar na boca.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Se há exemplo de ativismo cívico e religioso e para o impulso permanente em prol da solidariedade, da...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES