Domingo |
À procura da Palavra
“Mais Luz!”
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO V COMUM Ano A

“…nem se acende uma lâmpada

para a colocar debaixo do alqueire.”

Mt 5, 15

 

As grandes mudanças não acontecem por decreto. E no que tem a ver com as pessoas é a descoberta paciente dos outros que melhor produz as mudanças interiores. Por mais que nos horrorize, a guerra na Ucrânia ou a violência familiar, que os números podem fazer esquecer pessoas e histórias infernais, é complicado entrar no coração humano e mudar-lhe o rumo. Deus o sabe e nós vamos sabendo! Por isso não podemos deixar crescer a indiferença, e ter coragem para criar redes de escuta e ajuda concreta. O pouco que cada um pode fazer, importa juntar-se ao de outros e crescer como uma luz que se alastra. O “pão aos famintos”, a “pousada aos pobres”, a “roupa ao que não tem que vestir”, e “não voltar a costa ao teu semelhante” são os sinais luminosos que Isaías e outros profetas anunciaram.

Quantas vezes o que ajuda a curar alguns sofrimentos da alma é concretizar a fraternidade. Pois a dureza do coração, a insensibilidade ao injustiçado, a habituação ao que está mal fecham-nos em bolhas de egoísmo. Se não concordamos com o mal não adianta gritar contra Deus: se o vemos e não nos conformamos, é porque Deus está a contar connosco para a mudança das situações. Ser sal e luz do mundo, e colocar alto a luz que se acendeu nunca é fácil, mas é a identidade de quem quer seguir Jesus Cristo!

Curiosamente, a escuridão é, afinal, a falta de luz! Desde sempre o homem procurou guardar um pouco do sol para a noite. O fogo, a vela, a electricidade, são sinais deste desejo de luz. Que também os nossos gestos podem ser luz ou trevas nem sempre estamos convencidos disso. Ainda que Jesus o tenha dito nas suas primeiras palavras. Tantas vezes é quando nos faltam aqueles que foram semeando luz à nossa volta, que voltamos a perceber o frio da noite. Uma mãe, um amigo, um professor ou até um vizinho que tornava as manhãs radiantes de alegria com a sua boa disposição! Quem nos ajuda a não esconder a luz que Deus acendeu em nós?

É tão bom encontrar estes “portadores de luz” que nos anunciam que “a noite será como o meio-dia”. “Se não puderes ser o sol, sê uma estrela / Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso”, diz Douglas Malloch num belo poema. Quem mede a importância de uma luz senão aquele que dela necessita? É urgente a luz para quem faz e quem sofre nas guerras, para quem “manda” no mundo, para quem desanima e perde a esperança, para quem se gasta a levar vida e luz a todo o lado. Essa luz que é Cristo em cada pessoa, porque Deus a ama. “Mehr Licht”, “Mais Luz”, foi a última vontade do poeta alemão Goethe!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
O poema chama-se “Missa das 10” e foi publicado no volume Pelicano (1987). Pode dizer-se...
ver [+]

Tony Neves
Cerca de 3 mil Espiritanos, espalhados por 63 países, nos cinco continentes, anunciam o Evangelho....
ver [+]

Tony Neves
Deixei Cabo Verde, terra da ‘morabeza’, já cheio da ‘sodade’ que tão bem nos cantava Cesária Évora.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Talvez a mais surpreendente iniciativa do pontificado do Papa Francisco (onde as surpresas abundam)...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES