Mundo |
Igreja queimada em Mianmar está ligada a católicos luso-descendentes
A barbárie esquecida
<<
1/
>>
Imagem

A histórica Igreja de Nossa Senhora da Assunção no vilarejo de Chan-tha-ywa, em Mianmar, onde vive uma comunidade católica, os bayingyis, descendentes de portugueses, foi totalmente incendiada e destruída no dia 14 de Janeiro por soldados da junta militar, em mais um sinal de violência contra as minorias religiosas, nomeadamente os Cristãos. O Papa falou em “dor”, ao evocar o ataque a este símbolo cristão…

 

Era mais do que uma igreja. Era um símbolo cultural e o orgulho da comunidade católica. O ataque à histórica Igreja de Nossa Senhora da Assunção, no vilarejo de Chan-tha-ywa, por soldados do exército, deixou um rasto de perplexidade. Não houve nenhuma luta, nenhum confronto, nenhuma provocação. Mas, apesar disso, o templo foi queimado. Ficou totalmente destruído. Erguida no séc. XIX, em 1894, esta igreja “era motivo de orgulho para os católicos do Alto Mianmar, não apenas por causa da sua tradição secular, mas pelo baptismo do primeiro bispo [do país] e por ter sido sede da ordenação de três arcebispos e mais de 30 sacerdotes e religiosas”, explicava a AsiaNews ao dar a notícia. Mas esta igreja queimada agora pelos militares, e que levou o Papa Francisco a pedir, no Domingo passado, as orações de todos os Cristãos “pela população civil indefesa” de Mianmar, diz muito também a uma comunidade local descendente de portugueses: os bayingyis.

 

Um silêncio lamentável

Os constantes ataques que esta comunidade tão especial tem vindo a sofrer por parte dos militares de Mianmar têm sido denunciados pela AILD, Associação Internacional de Lusodescendentes. Joaquim Magalhães de Castro, director-geral para a região Ásia Pacífico da AILD, lamenta “o silêncio” das autoridades, em mais este episódio de violência, e fala mesmo em “barbárie”. “A comunidade luso-descendente católica de Mianmar, os bayingyis, foi mais uma vez vítima de um ataque da junta militar”, afirmou este responsável, que é também investigador da História da Expansão portuguesa, em declarações à Fundação AIS. “Desta feita foi uma igreja centenária totalmente incendiada. Aqui, em Portugal, continua o silêncio, apesar de todos os factos do que tem vindo a acontecer, dos ataques, das destruições das colheitas e das casas. Portugal continua a ignorar e, mais grave ainda, continua a não reconhecer a existência desta comunidade apesar de historicamente isso estar mais do que comprovado. É lamentável”, disse ainda.

 

Levar o assunto ao Parlamento

Face à gravidade da situação, que a associação tem vindo a monitorizar, Joaquim Castro – autor também de diversos livros, nomeadamente “Viagem ao Tecto do Mundo”, que foi adaptado para documentário e exibido na televisão portuguesa –reafirma a necessidade de se fazer alguma coisa, até mesmo ao nível político, para se proteger esta comunidade católica, os bayingyis, descendentes de combatentes portugueses que entre os séc. XVI e XVII estiveram ao serviço dos monarcas birmaneses. “Da parte da nossa associação, a AILD, vamos tentar levar o assunto ao Parlamento e divulgar isto o mais possível a ver se se consegue fazer algo para travar esta barbárie”, disse à Fundação AIS. Além da destruição do templo, há o relato ainda de que os soldados do Governo terão ultrajado a sacralidade do local, “saqueando-o, bebendo álcool e fumando” no seu interior. Face a esta situação, vários sacerdotes birmaneses fizeram apelos nas redes sociais pedindo orações pela comunidade cristã, que se sente ameaçada e desprotegida.

 

Solidariedade da AIS

A Fundação AIS tem vindo a acompanhar com preocupação a situação em Mianmar. A 1 de Fevereiro do ano passado, quando se assinalou o primeiro aniversário do golpe militar, a AIS convocou os seus benfeitores e amigos em todo o mundo para uma jornada de oração e de solidariedade para com a Igreja deste país asiático. Na ocasião, Thomas Heine-Geldern, presidente executivo internacional da Fundação AIS, gravou uma mensagem desde Königstein, na Alemanha, explicando que a jornada de oração procurava ser “um sinal de fraternidade” para com a Igreja local, lembrando todas as “vítimas inocentes” da violência que irrompeu neste país, desde que os militares tomaram conta do poder. Um ano depois, os ataques continuam. É importante que tudo isto não caia no esquecimento. Até por estar envolvida uma comunidade católica descendente de portugueses…

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES