JMJ Lisboa 2023 |
A cruz e o ícone mariano
Viana do Castelo já recebeu os Símbolos da JMJ
<<
1/
>>
Imagem

A Diocese de Viana do Castelo recebeu os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), a cruz e o ícone mariano, assumindo o desafio de “abrir as comunidades aos jovens”. “Espero que fique na história, com bons resultados, que seja uma grande interpelação, à sociedade e à diocese, sobretudo aos jovens. Que seja um despertar e eles não se acomodem às realidades em que estamos a viver, porque há muito a modificar”, afirmou D. João Lavrador, bispo diocesano, à Agência ECCLESIA.

O responsável destacou a “tradição” da JMJ, criada por João Paulo II, continuada pelo Papa emérito Bento XVI e que conhecem, com o Papa Francisco, um novo “impulso”, pela sua proximidade, convidando os jovens a ser “protagonistas da renovação da Igreja” e da construção de uma “nova humanidade”.

Para D. João Lavrador, a JMJ 2023 será um acontecimento “importantíssimo” para a construção da paz, porque Portugal vai acolher jovens de todo o mundo, “com muitas culturas e nacionalidades”, desafiando a partilhar “a mesma fé”.

“Assim construiremos a paz, no respeito uns pelos outros, unindo-nos em valores essenciais”, acrescentou.

As condições meteorológicas não permitiram a realização de uma procissão com os andores de Nossa Senhora d’Agonia e de São Bartolomeu dos Mártires, mas os pescadores puderam fazer-se ao Rio Lima, local escolhido para a passagem de testemunho, acompanhada por muitas pessoas com os tradicionais trajes minhotos e grupos de jovens, numa representação da “vitalidade” da diocese, sublinha D. João Lavrador.

Depois da cerimónia de receção dos símbolos, no Centro Cultural de Viana do Castelo, a Cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora ‘Salus Populi Romani’ passaram a noite junto a um dos patronos da JMJ 2023, São Bartolomeu dos Mártires, na igreja de São Domingos.

O bispo de Viana do Castelo agradeceu pelo trabalho “único” do Comité Organizador Diocesano (COD) para a JMJ 2023, desejando que a dinâmica gerada possa levar ao encontro dos jovens que “ainda não estão interpelados, a partir de uma Pastora Juvenil integradora”.

A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES