JMJ Lisboa 2023 |
Doação
JMJ Lisboa 2023 apoia vítimas da guerra na Ucrânia
<<
1/
>>
Imagem

A Fundação JMJ Lisboa 2023, em conjunto com os Comités Organizadores Diocesanos (COD), fez uma doação de 30 mil euros para apoiar o povo ucraniano neste contexto de guerra que o país enfrenta, como resposta ao apelo do Papa Francisco deixado em recente Audiência Geral.

O Santo Padre, no passado dia 14 de dezembro, relembrou o sofrimento das vítimas da Guerra na Ucrânia e deixou o apelo para que este Natal seja vivido de forma “mais humilde, com presentes mais humildes”, enviando “o que pouparmos para a Ucrânia, que precisa”.

Tendo presente o pedido feito pelo Papa Francisco, para que “façamos algum gesto concreto” para com o povo ucraniano, a Fundação JMJ Lisboa 2023, e os CODs, estruturas com a responsabilidade de promover a JMJ Lisboa 2023 junto das suas comunidades diocesanas, uniram-se para doar 30 mil euros para as vítimas da Guerra na Ucrânia.

Para D. Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023, o objetivo é “materializar o eco que a emoção do Papa Francisco nos provocou na Praça de Espanha, no dia da Imaculada Conceição, ao rezar pela paz na Ucrânia, pelo grande povo ucraniano que vive a guerra, que vive o Inverno, que vive o frio”. “Tudo isto, comparado com as nossas pequenas dificuldades e problemas, só pode ter uma consequência, que é materializarmos o pouquinho que podemos para ir ao socorro imediato desses irmãos e irmãs que tanto precisam”, afirmou o prelado, que acrescentou que “não nos podemos fazer tão presentes de forma tão imediata e eficaz como com a partilha deste pouquinho que conseguimos coordenar, entre o COL e os Comités Diocesanos, para nos fazermos presentes, para verdadeiramente poder acontecer Natal imediatamente junto dos irmãos da Ucrânia”. 

A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES