Lisboa |
34.ª Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-Abrigo
“Natal com a fé de Maria e o cuidado de José”
<<
1/
>>
Imagem

A passar por uma situação financeira “muito ingrata e difícil”, a Comunidade Vida e Paz não deixou de organizar a 34.ª Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-abrigo, na cidade de Lisboa. Foram três dias de festa, com a presença do Cardeal-Patriarca, que abriram à esperança e convidaram à mudança de vida.

 

De braços abertos e sempre, sempre, de sorriso no rosto. É assim que Patrícia Albino recebe cada um dos convidados da 34.ª Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-Abrigo, que decorreu nos dias 16, 17 e 18 de dezembro. “Posso considerar que esta é a minha festa de Natal. É o meu Natal! Enche-me o coração”, conta Patrícia, ao Jornal VOZ DA VERDADE, enquanto vai recebendo, de forma calorosa, os convidados. Voluntária da festa de Natal da Comunidade Vida e Paz “há 15 anos seguidos”, por desafio da sua irmã, Patrícia explica que os voluntários mais antigos ficam na receção da Cantina da Cidade Universitária, em Lisboa, a acolher todos os convidados da festa. “Eles veem um rosto familiar e é-lhes mais fácil”, salienta.

Patrícia tem sempre um gesto de carinho para com todos. Alguns até têm direito a beijinho e a abraço mais apertado. “Já os conheço há muitos anos! Gosto de os ver e com alguns até tenho relações pessoais, sejam convidados que conheci aqui ou com casais que aqui se formaram e que entretanto tiveram filhos. Temos agora crianças com 12 anos e é muito bonito vê-los a crescer”, conta. Patrícia Albino é voluntária da Comunidade Vida e Paz. Já fez voltas com as equipas de rua e, mesmo durante a pandemia, nunca deixou de ajudar. “Através da minha empresa, ajudamos várias instituições e uma delas é a Comunidade Vida e Paz”, refere, satisfeita.

Tal como em anos anteriores, Patrícia, de 48 anos, faz-se acompanhar, nos três dias de festa, pelos dois filhos: Gonçalo, de 18 anos, e Catarina, de 16. “O meu grande sonho? O meu grande sonho é que os nossos convidados atinjam a felicidade! Isso é o mais importante: estarem felizes. Nestes três dias, sei que conseguimos ajudá-los a sentirem-se acolhidos. Ajudamos a aquecer o coração deles e eles aquecem o nosso, também”, assegura Patrícia Albino, o primeiro rosto que os convidados da festa de Natal veem. “Se posso ajudar, ajudo, nem que seja um bocadinho…”, garante.

 

Ser presépio

Na manhã do passado Domingo, 18 de dezembro, o Cardeal-Patriarca esteve na 34.ª Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-Abrigo. Ao chegar à Cantina da Cidade Universitária, D. Manuel Clemente manifestava, aos jornalistas, que aquele era, “de certeza”, um “ambiente mais próximo ao do presépio”. “O presépio na cidade é isto: ir ao encontro das pessoas e onde se percebe que Jesus continua nelas, e é aí que precisa de ser cuidado, acompanhado, alimentado, vestido, guardado. Portanto, onde isso aconteça, há presépio. A Comunidade Vida e Paz, não apenas nestes dias, mas todo ano e todas as noites, é isso que faz: presépio na cidade”, frisava.

O Cardeal-Patriarca lembrou depois que a instituição precisa de “donativos” para poder cumprir a sua missão. “A Comunidade Vida e Paz tem hoje funcionários fixos, tem meios técnicos que são caros, para responder às necessidades de recuperação física e mental de muita gente. Portanto, precisa de apoios, que vão surgindo, não tanto quanto seriam necessários”, alertou. Apesar do trabalho de instituições como esta, “algo continua a falhar”, porque há ainda “muita gente na rua”, lamentou. “Isto tem é uma série de causas, não apenas económicas, que são também, com certeza, de trabalho, etc., mas pessoais, de condições anímicas que não estão certas, não estão bem, a falta de companhia, os desajustamentos de vária ordem. Esta problemática tem de ser respondida com um conjunto de ações que tenha em conta tudo isto”, destacou D. Manuel Clemente.

 

“A vitória do Natal”

Na Missa a que presidiu, o Cardeal-Patriarca recordou a fé da fundadora da Comunidade Vida e Paz, irmã Maria Gonçalves, que impulsionou esta intervenção e o apoio aos mais vulneráveis, e garantiu que “a vitória do Natal acontece com a fé de Maria e o cuidado de José”. “O futuro de Deus no mundo nasce assim, como aconteceu há dois mil anos e não deixa de acontecer em todos aqueles que têm fé, como Maria, e que têm cuidado, como José teve para cuidar de Jesus. Acontecendo isto, como acontece na Comunidade Vida e Paz, o futuro está garantido porque esta é a vitória do Natal! Impercetível aos olhos de tantos, como naquela altura foi, mas estamos aqui por causa disso. A vitória do Natal – Deus no mundo – acontece assim: com a fé de Maria e com o cuidado de José”, apontou D. Manuel Clemente.

Antes da bênção final, o presidente da direção da Comunidade Vida e Paz lembrou aos convidados que “é sempre tempo de recomeçar”. “A Comunidade Vida e Paz tem valores que são a esperança e a gratidão. Gratidão pela vida que Deus nos dá; e a esperança de atingirmos a felicidade que Ele quer para cada um de nós. Assim saibamos nós também ser dignos de a procurar”, desejou o diácono Horácio Félix.

 

“É possível, se quiserem”

Paulo Pires já foi convidado da festa e é hoje voluntário, integrando a equipa de motivação que convida à mudança de vida. “Estou aqui para ajudar algumas pessoas e encaminhá-las para tratamento ou para inserção. Quero passar a mensagem que foi passada a mim, porque não faz sentido ficar só para mim aquilo que me foi dado. Pretendo dar aos outros também”, assinala, ao Jornal VOZ DA VERDADE, este voluntário, de 54 anos.

Paulo é de Oeiras, reside atualmente em Caxias, e foi “a primeira vez” que participou na Festa de Natal da Comunidade Vida e Paz como voluntário. “Este ano, procuro motivar dando o meu exemplo, sempre dando o meu exemplo. Porque se eu consegui, e passei tão mal, com o consumo de drogas, eles também conseguirão, se quiserem. Se aceitarem a ajuda que esta família lhes dá, podem mudar de vida. Eu também tive um passado como o deles, um passado recente, e é isso que pretendo: dar sempre o meu exemplo”, testemunha.

Sobre a importância da Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-Abrigo, Paulo diz que são três dias de “uma felicidade imensa”. “Fui sempre muito bem recebido pelos voluntários, pela equipa. Foram sempre dias de convívio, porque quando se está neste tipo de vida, na rua, vive-se sempre muito isolado. São três dias de convívio, de alimentação, de duche”, recorda. ‘São dias que abrem à esperança?’, perguntamos. “Abrem, sem dúvida nenhuma! Na festa deste ano, já falei com algumas pessoas e consegui que pelo menos duas delas fossem encaminhadas para o espaço aberto”, responde, de sorriso no rosto. Quem sabe, para mudarem de vida.

 

____________


Pedido de ajuda

O presidente da direção da Comunidade Vida e Paz considera que a 34.ª Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-Abrigo correu “muito bem”, mas lembra, ao Jornal VOZ DA VERDADE, a situação financeira “muito ingrata” da instituição tutelada pelo Patriarcado de Lisboa. “2022 tem sido um ano muito difícil, mesmo muito difícil, e o próximo ano avizinha-se ainda mais difícil. Neste momento, a Comunidade Vida e Paz passa por uma situação financeira muito ingrata. Durante este ano, os donativos – que são grande parte do nosso orçamento – diminuíram, quer em géneros alimentares, quer em valores monetários, seja das empresas, seja dos particulares. E os custos aumentaram significativamente. Portanto, estamos numa situação muito difícil, que nos preocupa, e pedimos encarecidamente aos nossos benfeitores que, dentro das suas possibilidades, se lembrem de nós e das pessoas que confiam em nós”, manifesta o diácono Horácio Félix.

 

____________


“A sua ajuda é fundamental para chegarmos a mais convidados e continuarmos a criar momentos de animação nas suas vidas. Ajude-nos:

IBAN: PT50 0036 0000 99105505051 96

MBWAY: 912 340 222”

Comunidade Vida e Paz

 

____________


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e a vereadora dos Direitos Humanos e Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, Sofia Athayde, marcaram presença no primeiro dia da 34.ª Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-abrigo. “Acompanhados pelos elementos da Direção e pela Diretora-Geral da Comunidade Vida e Paz, visitaram todas as áreas da Festa, espalhando uma mensagem de apoio e esperança a todos os convidados”, assinalou a instituição, no Facebook.

 

____________


A 34.ª Festa de Natal para as Pessoas em Situação de Sem-Abrigo em números

Ao longo dos três dias de festa, 669 voluntários acolheram 1.263 convidados – dos quais 54 eram crianças – a quem foram distribuídas mais de 2.000 refeições, 7.710 peças de roupa e 220 fotografias na área do ‘Olhó Passarinho’. “Na área da Cidadania, apoiada por profissionais de várias entidades, foram realizados 196 atendimentos no Espaço Aberto ao Diálogo, 109 na Segurança Social, 44 no Instituto dos Registos e Notariado, 56 Instituto do Emprego e Formação Profissional, 33 na Santa Casa e 13 atendimentos no Apoio Jurídico. Já na zona dos Duches e Barbeiro foram prestados mais de 132 atendimentos e 214 cortes de cabelo. Na Saúde, registámos 154 consultas médicas, 154 rastreios de doenças cardiovasculares, 22 rastreios da tuberculose, 75 atendimentos de saúde oral, 21 rastreios de doenças sexualmente transmissíveis, 42 atendimentos na tenda de primeiros socorros, 6 fibroscans e foram administradas 52 vacinas da gripe, 48 Covid-19 e 3 vacinas do tétano”, revelou a Comunidade Vida e Paz, que expressou “o seu mais sincero agradecimento a todos os voluntários, empresas, parceiros e demais benfeitores que se associaram à 34.ª Festa de Natal para as Pessoas em situação de Sem-Abrigo”.

texto e fotos por Diogo Paiva Brandão
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES