Domingo |
À procura da Palavra
A grandeza de agradecer
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XXVIII COMUM Ano C

“Não se encontrou quem voltasse para dar glória a Deus

 senão este estrangeiro?"

Lc 17, 18

 

Sempre me impressionou a história, contada por um cardeal belga, daquele homem que, tendo vivido rodeado de cristãos, um dia, quando se converteu, chorou de alegria pela maravilha da fé, e de tristeza porque os cristãos seus vizinhos nunca lhe tinham mostrado quão belo é acreditar em Deus. Talvez sofressem um pouco da “ingratidão” dos nove leprosos do evangelho de hoje. Tantas são as graças recebidas que, a certa altura, até o coração parece ficar indiferente. Ou vamos julgando que somos nós quem produz os milagres!

 

Tem sido espantosa a vitória da Medicina sobre a lepra. Saber que é possível salvar um leproso com cuidados médicos e higiénicos atempados, alegra-nos. Quanto à outra, aquela que contagia os corações para a indiferença, a intolerância e a ingratidão, sendo mais difícil a sua cura, também o remédio todos o sabemos: viver de coração aberto. Aberto ao novo, à diferença, à pluralidade, aos “samaritanos”! Essas pessoas inesperadas em que os gestos autênticos de fé e caridade interpelam a rotina e o vazio de tantos gestos religiosos. E começa a notar-se pelo agradecer. Quem sabe agradecer, e não apenas retribuir (como poderia retribuir ao próprio Deus quanto Ele me dá?) multiplica a alegria: é a sua, e a que gera no outro!

 

Mas até a gratidão parece gasta. Como se ela fosse um “pagar” o que se recebeu! E há quem viva a medir favores dados e recebidos numa contabilidade asfixiante da verdadeira gratidão. Também a eucaristia sofre, por vezes, deste utilitarismo! Da “missa pelo meu familiar que eu já paguei”, à “missa daquele padre simpático que fala tão bem”, que se faz da verdadeira acção de graças que ela é? Como nos unimos à acção de graças universal, que Cristo abraça e toma em suas mãos para oferecer ao Pai? Como nos oferecemos também nós se procuramos mais receber? A graça de Deus desce ao coração do pobre, àquele que lhe deu o todo de si e, por isso, está capaz de receber Deus!

 

Quem vive agradecido tem um olhar novo sobre a vida. Sabe de onde lhe vêm os dons e as surpresas. É capaz de voltar atrás para louvar a Deus. Tem um rosto e uns olhos que parecem iluminados porque é capaz de ver luz onde outros vêem escuridão. Libertou-se do “caruncho” da ingratidão!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Há anos, Umberto Eco perguntava: o que faria Tomás de Aquino se vivesse nos dias de hoje? Aperceber-se-ia...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Já lá vai o tempo em que por muitos cantos das nossas cidades e vilas se viam bandeiras azuis e amarelas...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES