Mundo |
Nicarágua: um país onde se tem acentuado a perseguição religiosa
A tragédia da indiferença
<<
1/
>>
Imagem

Assinalou-se, a 22 de Agosto, o Dia Internacional das Vítimas de Violência Religiosa. A Fundação AIS lembrou a situação dramática em que se encontram muitos cristãos, vítimas de perseguição em mais de 140 países. Sinal disso, três dias antes, a 19 de Agosto, o Bispo de Matagalpa, na Nicarágua, era preso pela polícia, acusado injustamente de estar a apoiar os opositores do regime sandinista de Daniel Ortega…

 

Há uma fotografia, uma das últimas antes de ter sido detido, que diz muito sobre a situação em que se encontra o Bispo de Matagalpa, na Nicarágua. Na foto, divulgada a 4 de Agosto, D. Rolando Álvarez está ajoelhado, no chão da rua, mais precisamente na berma do passeio, de mãos ao alto. Atrás de si, estão três agentes da polícia. Um deles, empunha uma metralhadora. O bispo está de mãos erguidas. Está a rezar, mas a imagem pode ser vista como alguém que acaba de receber voz de prisão, alguém que acaba de ser detido. E isso acabou mesmo por acontecer, 15 dias mais tarde. A meio da noite de 19 de Agosto, elementos da polícia, juntamente com forças paramilitares da Nicarágua, invadiram o edifício da Cúria Episcopal da Diocese de Matagalpa onde se encontrava o prelado juntamente com alguns sacerdotes, seminaristas e leigos. Todos estavam impedidos de se ausentarem do edifício. Mas aquilo que não se imaginava possível, aconteceu mesmo. A meio da noite de 19 de Agosto, uma sexta-feira, os agentes da polícia entraram à força no Arcebispado e levaram consigo o bispo e oito das pessoas que estavam com ele. Mal se soube o que estava a acontecer, os sinos das igrejas começaram a tocar e centenas de pessoas acorreram ao edifício da Cúria tentando proteger o bispo. Apesar da manifestação popular, apesar dos protestos internacionais que há muito se têm feito ouvir sobre a situação de D. Álvarez, o bispo foi levado para Manágua, onde está em prisão domiciliária na sua residência. Os outros detidos foram para um quartel da polícia.

 

Ataques na América Latina

O Papa, o secretário-geral da ONU, os bispos de inúmeros países protestaram face a esta situação e exigiram a libertação de D. Álvarez e o respeito pela liberdade e dignidade dos Cristãos deste país do continente americano. Na base de tudo o que está a acontecer, na origem da perseguição ao bispo, está a acusação, falsa, de que a Igreja da Nicarágua tem vindo a apoiar os opositores do Governo sandinista de Daniel Ortega. Apenas três dias depois da prisão do bispo, assinalou-se o Dia Internacional das Vítimas de Violência Religiosa. Nesse dia 22 de Agosto, a Fundação AIS alertou o mundo para o aumento, alarmante, dos ataques contra religiosos na América Latina, e muito especialmente na Nicarágua, onde, em menos de quatro anos, a Igreja Católica sofreu mais de 190 ataques e profanações, incluindo fogo posto na Catedral de Manágua, agressões ao clero, o encerramento de meios de comunicação católicos e a expulsão das Missionárias da Caridade da Madre Teresa de Calcutá. Mas não só. Também em países como o México e a Colômbia, bem como na Argentina e no Chile, grupos extremistas procuram silenciar as vozes da Igreja e restringir a livre expressão dos crentes. A situação é muito grave e tem passado, infelizmente, ao lado das prioridades noticiosas das televisões, rádios e jornais no nosso país. É difícil encontrar notícias sobre estes ataques, é difícil encontrar a justa expressão da repulsa que tudo isto deveria proporcionar.

 

Silêncio impossível

Mas se outros calam, falamos nós. Thomas Heine-Geldern, presidente executivo internacional da Fundação AIS, lembrou, sobre o Dia Internacional das Vítimas de Violência Religiosa, que “a maior tragédia é a indiferença de tantos perante a perseguição religiosa”, e que “não podemos ficar em silêncio nesta situação”. “Não é preciso ser morto para ser vítima; basta que as liberdades básicas sejam restringidas”, disse Geldern. O que se passa na Nicarágua, infelizmente, não é caso único. No Mali, Níger, Nigéria, ou Burquina Fasso, por exemplo, os Cristãos “vivem praticamente em guetos e praticam a sua fé na clandestinidade”, acrescentou ainda o presidente executivo da Fundação AIS. As 24 horas do dia 22 de Agosto foram muito curtas para lembrar ao mundo a situação dramática em que vivem tantas comunidades cristãs, e de tantas outras religiões vítimas da intolerância. O Bispo de Matagalpa, na Nicarágua, foi preso pela polícia, mas muitos outros conhecem também os horrores da perseguição por motivos religiosos. “A 22 de Agosto devemos recordar não só aqueles que perderam a vida, mas também todos aqueles que são vítimas de discriminação e sofrem as consequências imediatas da violência, bem como os deslocados, os que ficam traumatizados e todos aqueles que são raptados, incluindo alguns cujo paradeiro permanece desconhecido”, disse ainda Thomas Heine-Geldern. “Não os esqueçamos”, pediu o responsável da Fundação AIS. Não esquecer as vítimas da intolerância religiosa é um dever para cada um de nós…

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Quando Jean Lacroix fala da força e das fraquezas da família alerta-nos para a necessidade de não considerar...
ver [+]

Tony Neves
É um título para encher os olhos e provocar apetite de leitura! Mas é verdade. Depois de ver do ar parte do Congo verde, aterrei em Brazzaville.
ver [+]

Tony Neves
O Gabão acolheu-me de braços e coração abertos, numa visita que foi estreia absoluta neste país da África central.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Impressiona como foi festejada a aprovação, por larga e transversal maioria de deputados e senadores,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES