Domingo |
À procura da Palavra
Subir e descer o Tabor
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO II QUARESMA Ano C

“Pedro disse a Jesus:

«Mestre, como é bom estarmos aqui!».”

Lc 9, 33

 

Muitos já chamaram ao tempo da Quaresma o “retiro” dos cristãos e da Igreja. Um tempo vivido nos ritmos necessariamente habituais, mas habitado por um olhar, uma palavra, uma disposição de coração que procura sentir além da rotina e da pressa dos dias. Alguns têm a graça de uma paragem, uns dias de serenidade e afastamento dos ritmos quotidianos, mas a maioria de nós permanecemos envolvidos no “pára-arranca” do trânsito diário. Como falar então de retiro, serenidade, tempo para reflectir e para rezar? Deserto já temos, servido nas imagens horríveis da “guerra em directo” na Ucrânia! Falta subir o Tabor/Calvário onde se vislumbrem horizontes de perdão e de paz!

 

Precisamos de parar. Ou pelo menos de reduzir a velocidade para ver melhor a direcção em que vamos. Parar sozinhos e com outros, porque a verdade também se revela na escuta. Parar em Deus, como quem precisa de colo e da sua mão a afagar-nos a cabeça. E acreditar que o nevoeiro se vai dissipar e os nossos olhos, quase cegos de tantas luzes psicadélicas, poderão ver de novo o relevo da vida. Parar para avançar com maior determinação nos caminhos difíceis. Talvez seja preciso subir a um monte como Jesus levou Pedro, Tiago e João. Quantas vezes já sentimos que um retiro é sempre um “pequeno Tabor” e seria tão bom ficarmos ali?!

 

Simplesmente, o Tabor não é uma meta, antes uma “estação de serviço”. Um breve momento para “atestar” os depósitos da alma com o convite do Pai, e para rever o “mapa” do caminho que tem uma cruz na capa! Jesus mostra a sua glória, mas não oculta que ela se manifestará na cruz da dor e da derrota humana. Leva-os a ver a grandeza daquele horizonte e a beleza indescritível do Filho de Deus, mas desce com eles à estrada dos homens. E esse será sempre o dinamismo dos cristãos: o encontro mais profundo com Jesus impulsiona-nos ao encontro mais profundo com os outros. Mesmo os chamados a uma vocação contemplativa não fogem do mundo, antes mergulham mais nele, oferecendo a sua oração e a vida pelos homens que Deus ama!

 

O nosso Tabor pode não ser um monte, mas é uma elevação da rotina e da repetição vazia. Pode ser um diálogo mais frequente e amoroso com Ele, ou aquele encontro mais profundo com quem amamos, adiado demasiadas vezes. Pode ser a redescoberta da Eucaristia como “Tabor de todos os domingos”, ou a visita, sem olhar para o relógio, de alguém só, abandonado ou simplesmente irritante. Pode ser a coragem de pegar na Bíblia e ouvir de novo uma palavra que abre horizontes, o compromisso em gestos de paz. É certamente olhar com olhos novos aquilo que já é demasiado habitual. Mas é preciso não esquecer, no alto do monte não se vive: a vida acontece nos caminhos dos homens!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES