CNE Região de Lisboa |
Robert Stephenson Smith Baden-Powell nasceu a 22 de fevereiro de 1857
Parabéns, Baden-Powell!
<<
1/
>>
Imagem

“Creio que Deus nos colocou neste mundo encantador para sermos felizes e apreciarmos a vida. A felicidade não vem da riqueza, nem simplesmente do êxito de uma carreira, nem dos prazeres. Um passo para a felicidade é serdes saudáveis e fortes enquanto sois rapazes, para poderdes ser úteis e gozar a vida quando fordes homens.” Baden-Powell

 

Escutismo: um movimento que não conhece fronteiras

Fevereiro é um mês de festa para todos os escuteiros. Celebra-se a vida do homem que aprofundou a ideia de um movimento que conta hoje com mais de 40 milhões de escuteiros por todo o mundo. Em fevereiro, celebra-se Baden-Powell, o fundador do escutismo.

Robert Stephenson Smith Baden-Powell nasceu a 22 de fevereiro de 1857, sendo o quinto de sete irmãos. Embora órfão de pai, encontrou na mãe e nos irmãos o apoio necessário para viver uma infância feliz.

Após terminar os estudos secundários, Baden-Powell ingressa na vida militar, tendo lhe sido reconhecido uma carreira brilhante. Um dos episódios mais relevantes da sua passagem pelo exército acontece em Mafeking, em 1889, tendo a cidade ficado cercada por 217 dias. Uma vez que existiam poucos soldados em Mafeking, Baden-Powell decide treinar cidadãos, capazes de desempenhar todas as tarefas de apoio a esta missão. A forma como os jovens desempenharam as suas tarefas começa a desenvolver em Baden-Powell as primeiras ideias do que viria mais tarde a ser conhecido como o Escutismo.

Mais tarde, em 1907, resolve realizar um acampamento com vinte jovens rapazes, dos doze aos dezasseis anos, na ilha de Brownsea. Aqui, transmitiu-lhes conhecimentos técnicos nas áreas do socorrismo, observação, segurança, entre outros.

Tendo sido bem sucedido nesta sua ideia, Baden-Powell começa a escrever o livro ‘Escutismo para Rapazes’. Nele, BP dirige-se ao jovens: “(...) atendei a tudo quanto ele vos ensina e espero que vos divertais pelo menos metade do que eu me tenho divertido como escuteiro.” O Escutismo, enquanto ideal, não conhece fronteiras desde cedo, tendo as suas ideias sido difundidas pelo mundo inteiro. Em 1920, em Londres, reuniram-se num grande acampamento várias nacionalidades. Neste primeiro acampamento mundial, designado Jamboree, 20 mil jovens aclamaram Baden-Powell como Chefe Mundial.

 

BP testemunha em Lisboa um ideal que triunfa

A sua presença na Região de Lisboa acontece em dois momentos. A primeira visita a Lisboa data de 1929. Cerca de setecentos escuteiros recebe e saúda o fundador e chefe mundial. Foram dois dias em Lisboa, tendo sido amplamente destacado pela imprensa nacional. “A viagem tem sido excelente. O Escutismo é um movimento que triunfa, dirigia-se Baden-Powell ao jornal ‘As Novidades’.

Em 1934, novamente Baden-Powell em Lisboa. Fisicamente debilitado devido a doença, acaba por não desembarcar do cais, mas não deixa de cumprir a promessa de visitar novamente Portugal. “A população da capital acorreu, com sincero entusiasmo(...)”, escrevia o jornal ‘O Século’.

A 8 de janeiro de 1941 Baden-Powell morre, no Quénia. A sua obra e vida ainda hoje são relembradas por muitos jovens que comemoram o Dia de BP. O dia, organizado por Núcleos e Regiões, promove o convívio e a alegria de viver o ideal do escutismo, lembrando a sua última mensagem “Estai preparados desta maneira para viver e morrer felizes - apegai-vos sempre à vossa promessa escutista - mesmo depois de já não serdes rapazes e Deus vos ajude a proceder assim. O Vosso Amigo.”

 

_________________

 

Sabia que…

Em 1939, Baden-Powell chegou a ser nomeado para o Prémio Nobel da Paz, altura em que somava 82 anos. Infelizmente, nesse ano, o galardão não chegou a ser atribuído. A 22 de fevereiro, para além de ser celebrado o nascimento de Baden-Powell, assinala-se o Dia do Pensamento, dia em que também nasceu a sua esposa Lady Baden-Powell, fundador e chefe mundial das Guias.

texto por Ruben Durães, Secretário Regional – Comunicação da Região Lisboa CNE
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Jamais esquecerei a forte emoção que experimentei há alguns dias. Celebrávamos a missa exequial de...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O último estertor da dissoluta Assembleia da República atenta gravemente contra a liberdade, a religião,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Somos alertados pelo Papa Francisco na Mensagem do dia da Paz de 2024 para o facto de as máquinas inteligentes...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES