Lisboa |
Encontro dos COP’s e COV’s da cidade de Lisboa
“Receber o Papa e os peregrinos da melhor forma”
<<
1/
>>
Imagem

Cerca de 90 jovens participaram no encontro dos COP’s e COV’s da cidade de Lisboa. “O encontro foi muito positivo, excedeu bastante as nossas expectativas. Tivemos 80-90 pessoas, e foi importante para passarmos do online ao presencial e termo-nos encontrado todos. Já tinha havido um ou outro encontro, com o responsável paroquial ou com o responsável vicarial, e aqui estivemos todos, estiveram os padres, tivemos também o D. Américo [Aguiar, Bispo Auxiliar de Lisboa]. Foi bom”, resume, ao Jornal VOZ DA VERDADE, o responsável do COV (Comité Organizador Vicarial) de Lisboa I, Duarte Azevedo Mendes, sublinhando ser “importante” haver momentos como este. “Durante a tarde alguém me dizia que, por vezes, nós perdemo-nos um bocadinho no trabalho muito concreto nas nossas paróquias, mas ver o todo é importante”, salienta este jovem, de 22 anos, da paróquia de São Nicolau, na Baixa de Lisboa.

O encontro decorreu na tarde do passado dia 19 de fevereiro, sábado, na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, ao Marquês. “O D. Américo disse uma coisa muito engraçada, que nós não tínhamos pensado: foi muito bom termos começado no Coração de Jesus. Ele dizia que se alguém pensou nisto, foi obra de Deus; mas se não pensaram, também foi. E, de facto, nós não tínhamos pensado nada sobre o assunto, mas era um sítio simpático para nos receber, que o cónego Janela [o pároco] nos abriu as portas, e foi muito bonito começarmos ali, no Coração de Jesus”, manifesta Duarte. O encontro decorreu durante toda a tarde, iniciando com a oração, a que se seguiu uma dinâmica e diversos testemunhos, segundo conta este estudante do 3.º ano de Direito. “Durante a tarde, o padre Miguel Pereira deixou uma ideia que tocou muitas pessoas: contava ele aquela história de alguém que vai ver a construção de uma catedral e vê o arquiteto que diz ‘eu estou aqui a desenhar a capela-mor’, depois o carpinteiro, que está a fazer os bancos da igreja, e chega àquele que está a varrer e que diz ‘eu estou a construir uma catedral’. De facto, todas essas pequeninas tarefas que nós acabamos por ter que fazer, sejam elas mais logísticas ou mais pastorais, contribuem para, em agosto de 2023, recebermos os peregrinos e o Papa da melhor forma”, deseja o responsável do COV de Lisboa I, Duarte Azevedo Mendes.

texto por Diogo Paiva Brandão; fotos por Daniela Calças
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES