Família |
Exortação Apostólica ‘Amoris Laetitia’
O Amor no Matrimónio - O para sempre e a Beleza do Amor
<<
1/
>>
Imagem

Deus ama de tal modo a família que quis que Seu filho se tornasse humano e nascesse de uma família (Palavras do Papa Francisco, no Encontro Mundial das Famílias em Filadélfia).

Mais uma vez, na sua Exortação Apostólica Amoris Laetitia, o Santo Padre fala-nos da importância do Sacramento do Matrimónio e como a família deve ser testemunho do amor de Deus por nós, e apresenta-nos as palavras de S. Paulo aos Coríntios: «Ainda que eu tenha tão grande fé que transporte montanhas, se não tiver amor nada sou. Ainda que eu distribua todos os meus bens e entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver amor de nada me vale.» (1 Cor 134, 2-3).

E o que é o amor? O Santo Padre refere que no hino à caridade, escrito por São Paulo, vemos algumas características do amor verdadeiro:

«O amor é paciente,

o amor é prestável;

não é invejoso,

não é arrogante nem orgulhoso,

nada faz de inconveniente,

não procura o seu próprio interesse,

não se irrita,

nem guarda ressentimento,

não se alegra com a injustiça,

mas rejubila com a verdade.

Tudo desculpa,

tudo crê,

tudo espera,

tudo suporta.» - (I Cor 13, 4-7)

Também nós, enquanto casal de namorados cristãos, fomos inspirados por este hino à caridade e tomámos a decisão de celebrar o Sacramento do Matrimónio, e, perante Deus, o sacerdote, família e amigos, assumimos o compromisso de nos amarmos e respeitarmos todos os dias da nossa vida.

Não sabíamos como seria o futuro, mas tínhamos a certeza de que Deus estaria connosco e nos iria mostrando o caminho que tinha preparado para nós.

 A nossa aventura a três começou no dia do nosso Matrimónio, mas antes já tínhamos retirado do nosso dicionário a palavra divórcio e a palavra nós veio substituir a palavra eu e tu.

Com a chegada dos filhos e o passar dos anos, tivemos que fazer alguns ajustes na nossa vida para que não faltasse a atenção nem o amor a nenhum de nós, nem o amor a Deus.

Amar exige que busquemos o bem do outro, que lhe dediquemos momentos de ternura, de escuta e de perdão (quando o outro nos magoa).

É necessário que saibamos ser pacientes, saibamos ouvir sem julgar e sem arrogância ou orgulho.

É necessário que estejamos sempre ao lado um do outro com espírito de ajuda e compreensão.

Não esqueçamos que a oração une o casal e é na oração que conseguimos aproximação a Deus e a santificação um do outro e da nossa família.

E porque temos, marido e mulher, personalidades diferentes e nem sempre estamos de acordo, surgem zangas que nos magoam, mas procuramos nunca nos deitar sem fazermos as pazes, sem nos perdoarmos. Foi, e é, uma receita que nós experimentamos e dá resultado!

Mais uma vez, aconselhamos a oração para consolidar a nossa vontade de perdoar sem guardar ressentimentos porque como refere o Santo Padre «isto pratica-se e cultiva-se na vida que os esposos partilham dia-a-dia entre si e com os seus filhos».

 

Falando um pouco de nós, somos a Celeste e o Júlio e celebrámos o nosso Matrimónio no dia 25 de agosto de 1973, quase meio século de vida em casal. Temos a graça de ter três filhos, duas noras e seis netos.

Foi na paróquia que procurámos apoio para a educação cristã dos nossos filhos.

Como casal cristão sentimos, também, que devemos dar testemunho do amor no matrimónio e sempre que possível temos colaborado nas atividades da pastoral da família, na nossa paróquia.

Agradecemos a Deus os momentos menos bons que nos ajudou a ultrapassar e que nos ajudaram a crescer como casal e em família.

Agradecemos também os momentos felizes, e foram muitos!

˗ O nascimento dos nossos filhos, as festas de família;

˗ As férias que passámos e que permitiam, além do descanso o saborear de estarmos todos juntos;

- As viagens, algumas em peregrinação, que tivemos a oportunidade de fazer em família;

˗ A visita à Terra Santa com a renovação dos votos matrimoniais, em Caná;

- A peregrinação a Roma;

˗ O Encontro Mundial das Famílias em Filadelfia;

˗ O Matrimónio dos nossos filhos, o nascimento dos nossos netos, e tantos outros momentos marcantes.

Queremos agradecer a Deus por todos os que dedicaram a sua vida a amar a Deus e aos irmãos. Os missionários, leigos e consagrados e a todos os que abraçaram o Sacramento da Ordem porque a nossa vida de amor no Matrimónio foi marcada por muitas destas pessoas que se cruzaram no nosso percurso de amor em família.

Celeste e Júlio Ferreira, Paróquia da Ramada
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes.
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Jamais esquecerei a forte emoção que experimentei há alguns dias. Celebrávamos a missa exequial de...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O último estertor da dissoluta Assembleia da República atenta gravemente contra a liberdade, a religião,...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Somos alertados pelo Papa Francisco na Mensagem do dia da Paz de 2024 para o facto de as máquinas inteligentes...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES