Cáritas de Lisboa |
Cáritas Paroquial de Oeiras
Acolher, acompanhar e articular com outros parceiros sociais
<<
1/
>>
Imagem

Ao longo de 2022, esta página do jornal Voz da Verdade, confiada mensalmente à Cáritas Diocesana de Lisboa (CDL), irá ser preenchida, na medida do possível, pela ação das Cáritas Paroquiais do Patriarcado. É seu propósito dar a conhecer a realidade de cada uma, o contexto local em que atuam, e a importância da sua existência, com base no real impacto da sua intervenção juntos das pessoas e do ambiente que as rodeia. O número de Cáritas Paroquiais tem vindo a crescer no território da diocese e será certamente pelo exemplo das que já existem que outras vão emergir, sobretudo onde ainda não existem grupos paroquiais de ação social organizados, e com o total apoio da CDL.

 

A Cáritas Paroquial de Oeiras, a funcionar, provisoriamente, em instalações da Igreja de Nossa Senhora da Purificação (Igreja Matriz), iniciou a sua atividade em Dezembro de 2019 com o objetivo de apoiar e acompanhar as famílias mais desfavorecidas e em situação de carência, tentando capacitá-las para a sua autonomia.

Passados apenas dois meses, surgiu o Covid-19, que condicionou toda a sua atuação. Mas apesar disso, e fruto do empenho e boa vontade dos voluntários, assim como da generosidade dos nossos paroquianos e benfeitores, e também do apoio sempre inexcedível da Cáritas Diocesana de Lisboa, foi possível à Cáritas Paroquial de Oeiras responder de forma positiva às variadíssimas solicitações de apoio que lhe foram chegando. A preparação e distribuição dos cabazes de géneros alusivos à época natalícia dos dois últimos anos tiveram a colaboração de algumas empresas do comércio local.

A mitigação social das famílias reflete a situação socioeconómica do concelho: rendas de casa elevadas, o que faz com que pessoas isoladas, com o salário mínimo, residam em quartos, habitações sobrelotadas com mais do que uma geração e muitas famílias monoparentais. A questão habitacional tem sido e continua a ser uma preocupação da política municipal.

A intervenção social faz-se através da rede social, que agiliza a articulação entre as diversas entidades, entre elas a Cáritas Paroquial. Os seus técnicos reúnem-se uma vez por mês para discutirem os casos que tenham em mãos e fazerem a ligação, na sua abordagem e sempre que necessário, aos serviços e instituições locais. No atendimento e acompanhamento das famílias, a chave da intervenção da Cáritas Paroquial de Oeiras está nesta articulação com os vários parceiros sociais, como a Segurança Social, o Centro de Saúde e tantas outras instituições da zona. Importante referir que na resposta aos pedidos dos técnicos dos protocolos de Rendimento Social de Inserção e aos de outras entidades, o apoio da Cáritas surge, diversas vezes, como complementar aos restantes serviços da comunidade. A Cáritas responde de acordo com os recursos de que dispõe, sem se substituir ou sobrepor a qualquer serviço ou organização, sendo o apoio sempre personalizado, confidencial e conforme à proteção de dados.

Dois testemunhos, entre tantas outras situações acompanhadas, são expressão do quão a ação social da Cáritas de Oeiras é essencial à comunidade e à vida de quem reside no espaço da paróquia.

 

Testemunhos

Imigrante, oriundo do Bangladesh, chegou a Portugal em Dezembro de 2020 com passaporte de turista. Só falava inglês. Reside em Oeiras desde maio 2021, partilha quarto com outro cidadão estrangeiro. Trabalhou sazonalmente na restauração, nos meses de agosto e setembro 2021. Atualmente, com um contrato de trabalho desde outubro, é empregado num restaurante de comida goesa, em Oeiras. No dia de folga, aprende português com uma voluntária da Cáritas. Questionado sobre o apoio que teve da Cáritas, se ainda o necessita e que imagem lhe ficou do grupo que o apoiou, foram estas as suas palavras:

«Conheci a Cáritas de Oeiras em Junho de 2021 através do CLAIM de Cascais. Estava desempregado e doente. A Cáritas ajudou-me com géneros alimentares e informações sobre os apoios dos serviços da Câmara Municipal de Oeiras e do Centro de Saúde. O apoio da Cáritas foi muito bom, os alimentos as “palavras” de apoio dos voluntários, e as lições de português, pois só falava inglês. A Cáritas ajudou-me muito na minha integração social. Continuo a precisar do apoio da Cáritas para aprender português. Estou em Portugal para apoiar a minha família que ficou no Bangladesh (pai, mãe e 5 irmãos). Envio todo o dinheiro que posso para os ajudar.»

Beneficiário do Rendimento Social de Inserção, pessoa sozinha, recentemente realojado em habitação social.

«Tudo começou no dia em que, em conversa com a funcionária da paróquia, lhe perguntei o que era preciso para ter um cabaz de alimentos. A responsável da Cáritas ouviu a conversa e veio falar comigo, para saber da minha situação. Entreguei os documentos necessários à minha inscrição e logo depois comecei a receber, na altura, cabazes semanais, passando a mensais com o início da pandemia. Têm sido impecáveis comigo, tanto a nível alimentar como de vestuário (sapatos inclusive) e medicamentos. É triste dizer isto, mas têm sido bem melhores do que a família que faz de conta que eu não existo. Só lhes posso agradecer e pedir para que continuem a fazer o excelente trabalho que têm feito aqui em Oeiras.»

Estes testemunhos manifestam que, na Cáritas, o “acolhimento” é o pilar da relação de confiança que se estabelece com cada pessoa, a base fundamental à perceção e diagnóstico das suas necessidades. Como diria Saint-Exupéry, “o essencial é invisível aos olhos.”

texto por Cáritas Paroquial de Oeiras
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O que caracteriza o casamento não é o amor – que é também comum a outras relações humanas –...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES