Domingo |
À procura da Palavra
O vinho bom
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO II COMUM Ano C

“Tu guardaste o vinho bom até agora”

Jo 2, 11

 

Não sei onde li, ou se escutei de alguém, mas concordo plenamente: “A vida é demasiado curta para se beber maus vinhos!”. E num país com tão bons vinhos como o nosso, faz ainda mais sentido. E quem fala de vinhos pode falar de muitas outras coisas, experiências, realidades a que damos importância sem verdadeiramente a merecerem. Facilmente confundimos a qualidade com a quantidade, a exterioridade com o que é interior, o invisível com o que os nossos olhos alcançam, os saldos com o verdadeiro valor, e acabamos por ficar a perder. Quem já bebeu muita “zurrapa”, como saberá distinguir o que é bom daquilo que não é?

 

O primeiro milagre de Jesus segundo S. João acontece numas bodas. Quantas vezes os profetas e as escrituras tinham comparado o amor de Deus pelo povo de Israel ao amor de um esposo pela esposa? Com que linguagem humana mais bela poderiam descrever a ternura e a festa que Deus quer fazer com a humanidade? No relato de Caná pouco se fala do casal, pois o verdadeiro esposo é Jesus, que transforma a água das purificações (da religião maniqueísta de “puros” e “impuros”, legalista e triste) no vinho bom (equivalente ao sangue que é vida dada em abundância, festa de comunhão e alegria) oferecido abundantemente a todos. A tristeza do vinho que se tinha acabado dá lugar à alegria do vinho bom e novo que pode ser saboreado.

 

Em Caná e junto à cruz é onde encontramos a Mãe de Jesus em todo o evangelho de S. João. Só em Caná é que ouvimos as suas palavras: “Não têm vinho”, e “Fazei o que Ele vos disser”. A hora de que Jesus fala é como que adiantada pelo pedido da Mãe. A hora da cruz, onde culmina toda a vida cheia de vinho bom de palavras, curas, perdão, ressurreição, vida plena de esperança e de amor que é semeado abundantemente no coração de todos. E ecoará na vida dos discípulos de Jesus, especialmente quando falta o vinho da alegria e da esperança, o mesmo pedido de sua Mãe aos criados das bodas: “Fazei o que Ele vos disser”!

 

O vinho bom é também o vinho novo. E as páginas seguintes do evangelho de João estão cheias da novidade que Jesus traz: o seu corpo como templo novo; a necessidade de “nascer de novo”; o “culto novo” praticado em espírito e verdade, explicado à samaritana; e todos os milagres como sinais da vida nova que começa em Cristo. É essa novidade que é apelo à nossa vida em Cristo: sabem a “vinho bom” as palavras que dizemos, os gestos que realizamos, as escolhas que fazemos? Que novidade celebramos e com que alegria a oferecemos?

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
Acaba de ser publicada a declaração “Dignitas Infinita” sobre a Dignidade Humana, elaborada...
ver [+]

Tony Neves
Há fins de semana inspirados. Sábado fiz de guia a dois locais que me marcam cada vez que lá vou. A...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Conta-nos São João que, junto à Cruz de Jesus, estava Maria, a Mãe de Cristo, que, nesse momento, foi...
ver [+]

Pedro Vaz Patto
Foi muito bem acolhida, pela generalidade da chamada “opinião pública”, a notícia de que...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
EDIÇÕES ANTERIORES